34.6 C
Lucas do Rio Verde
quinta-feira, 05 agosto, 2021
InícioMUNDOPopulação de cidade goiana muda rotina para se proteger do maníaco

População de cidade goiana muda rotina para se proteger do maníaco

Por ESTADO DE MINAS

Moradores de Edilândia vivem em clima de tensão desde que Lázaro Barbosa de Sousa foi visto no distrito de Cocalzinho (GO), nessa terça-feira (15/6). Após matar quatro integrantes de uma família no Incra 9, em Ceilândia Norte, o acusado tem cometido roubos e invadido chácaras na região, onde fez novos reféns.

Morador de Ceilândia, o servidor público Darlan de Oliveira, 42 anos, esteve no distrito para buscar os avós. “Os dois estão com muito medo de ficar aqui (em Edilândia), assim como toda a população. Eles só voltam para cá quando o criminoso for preso”, destaca. Darlan faz visitas frequentes à região nos fins de semana, onde passou parte da infância. “Sempre foi um local muito tranquilo. É uma cidade pacata, com moradores receptivos. Temos diversas festividades, folias, cavalgadas, tudo em clima calmo. Por isso, a chegada desse maníaco assusta tanto”, relata.


--Continua depois da publicidade--

Darlan conta que alguns moradores deixaram as fazendas e, agora, reúnem-se em grupos de até 10 pessoas para dar comida aos animais de criação. “Eles precisam voltar às chácaras para alimentar os porcos, as galinhas e demais bichos. Como está com medo, a comunidade se reuniu e, em grupos, visita as propriedades. Assim, eles (os moradores) se sentem um pouco mais seguros”, comenta.

Estado de alerta

A situação também assusta Expedita Pereira de Freitas, 80. A filha dela, Margarida Maria Pereira, 60, mora há mais de 30 anos no distrito e afirma que os moradores estão preocupados. “Minha mãe é hipertensa. Qualquer barulho que ela ouve faz com que fique assustada. Nestes dias, ela está à base de remédios para se acalmar e conseguir controlar a pressão (arterial)”, conta.

Além do medo da violência, a chuva na madrugada de terça-feira (15/6) tornou a noite dos habitantes menos tranquila. “O barulho do vento fazia a gente ficar em estado de alerta o tempo todo. Até pensamos em mandar minha mãe para a casa de meu irmão, em Goiânia, mas também tememos a COVID-19”, relata Margarida.


--Continua depois da publicidade--

O único motivo para a família se sentir um pouco mais segura, segundo ela, é o fato de morar perto do posto de gasolina que ficou definido como base para as equipes da força-tarefa. Também morador de Edilândia, o produtor rural José Saraiva Matos, 62, acrescenta que todos os fazendeiros da área têm mudado a rotina. “Fechamos as porteiras cedo e ficamos atentos. Qualquer movimentação estranha faz com que acionemos a polícia. E ninguém mais sai à noite”, ressalta.

Solidariedade

Durante as buscas por Lázaro, moradores e comerciantes de Edilândia (GO) e do Incra 9 se juntaram para ajudar os cerca de 200 policiais e bombeiros que atuam na região. Um grupo de aproximadamente 25 voluntários tem fornecido refeições para as forças de segurança e pretende manter a iniciativa até que termine a caçada pelo suspeito.

O produtor digital Lucas Mendonça, 26, surgiu com a ideia. Morador do município — um dos principais em que atuam as equipes (leia Locais das buscas) —, ele diz acompanhar a “dedicação dos policiais” dentro da mata e no cerco montado nas rodovias. Alguns não voltaram para casa desde o começo da caçada, segundo o jovem. “Lancei a ideia (das refeições) no Instagram, e diversas pessoas se mobilizaram e passaram a fazer doações. O padre Cleiton Torres cedeu o espaço da igreja (do distrito) e começamos a servir os lanches lá. É uma forma de agradecer por tudo o que eles estão fazendo”, afirma.

O grupo prepara os alimentos na capela Nossa Senhora de Fátima, onde fazem café da manhã, almoço e jantar para os policiais. A ação começou na noite de segunda-feira (14/6). A estudante Lanna Gabrielly, 16, é uma das voluntárias. “Aqui, todo mundo faz um pouco de tudo. Eu arrumo mesa, ajudo a cortar os legumes, organizo e entrego os lanches. Sabemos que isso é o mínimo, porque alguns passam o dia e a noite na mata. Essa é uma forma de mostrar gratidão por eles se arriscarem em nome de nossa segurança”, avalia a moradora de Edilândia.

O trabalho voluntário da equipe ajuda a população a se distrair do medo, de acordo com a cobradora de ônibus Analice Teixeira, 26. Ela mora no município há quatro anos. “O clima na cidade é de muita tensão, e temos visto o esforço das equipes de buscas. A região aqui é enorme, e fazer o trabalho que estão fazendo é muito difícil”, opina a jovem.

Além de usar recursos próprios, a comunidade de Edilândia recebeu doações de moradores de Ceilândia. Uma das pessoas a organizar os repasses é Robson Pereira da Silva, 50, morador do Incra 9 e produtor rural. Ele era vizinho da família Vidal, assassinada na quarta-feira (9/6). “Eu era amigo desde moleque do Cláudio (Vidal, empresário e pai dos dois meninos mortos). Jogávamos bola na rua na infância. Por isso, estamos nos mobilizando”, destaca.

Robson acrescenta que auxiliou nas buscas por Cleonice Vidal, quando a empresária era considerada desaparecida. “Hoje (terça-feira), quando ficamos sabendo do projeto da igreja, decidimos coletar doações dos moradores de Ceilândia e trazer para cá. Estamos voltando (para o Incra 9) para pegar botijões de gás e, à noite, retornamos para Edilândia. É o que podemos fazer para ajudar a pôr fim a esse pesadelo”, completa.


--Continua depois da publicidade--

Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.

Lucas do Rio Verde

CELEBRAÇÕES
Com corte simbólico de bolo, Lucas do Rio Verde celebra 33 anos
agosto 05, 2021
GOLEOU
Taça Brasil: Grupo Santos sai atrás do marcador, vira e garante vaga na semifinal
agosto 05, 2021
LIBERTAS II
Operação contra facção criminosa prende três pessoas e apreende drogas, arma e dinheiro em Lucas do Rio Verde
agosto 05, 2021
Lucas do Rio Verde
Comércio terá horário especial nas datas que antecedem o Dia dos Pais em Lucas do Rio Verde
agosto 05, 2021