31.8 C
Lucas do Rio Verde
quinta-feira, 30 junho, 2022
Publicidade
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIACessão total de tempo de programação de rádio e TV segue para...

Cessão total de tempo de programação de rádio e TV segue para sanção

Texto por

O Plenário do Senado aprovou, nesta terça-feira (21), projeto que permite às emissoras de rádio e televisão transferir, comercializar ou ceder o tempo total de programação para a veiculação de produção independente (PL 5.479/2019). A matéria, de iniciativa do deputado Alex Santana (Republicanos-BA), teve relatoria do senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO) e segue agora para a sanção presidencial.

O texto insere as normas no Código Brasileiro de Telecomunicações (lei 4.117, de 1962). A proposta determina que as emissoras devem observar apenas as regras de limitação de publicidade comercial e de qualidade do conteúdo. Por essas regras, a programação deve obedecer a finalidades educativas e culturais, e a publicidade só pode ocupar 25% do tempo total da programação da emissora. Atualmente, na prática, esse percentual tem servido como limite da cessão de tempo das emissoras.


--Continua depois da publicidade--

O projeto traz, porém, nova definição de publicidade para cumprimento dessa regra. Segundo o texto, a publicidade comercial restringe-se à publicidade de produtos e serviços para os consumidores e à promoção de imagem e marca de empresas. Assim, serão excluídas da regra, por exemplo, as propagandas institucionais e a publicidade oficial. O projeto estabelece ainda que as emissoras vão ser responsabilizadas por eventuais irregularidades na programação, além de vedar às concessionárias e permissionárias transferir, comercializar e ceder a gestão total ou parcial da execução do serviço de radiodifusão.

Hoje, muitas emissoras já comercializam o tempo de programação, seja com produtoras de conteúdo, seja com igrejas, por exemplo — prática que vem sendo questionada na Justiça. Em ações civis públicas movidas pelo Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal condenou a Rádio e Televisão Bandeirantes no Rio de Janeiro e a Rádio e Televisão Record S/A a reduzirem o período total comercializado de sua grade para 25% do tempo diário, inclusive os espaços comercializados a entidades religiosas ou sem fins lucrativos. Com o projeto, no entanto, acaba esse limite.

Segurança

Vanderlan Cardoso disse que a proposta atende uma antiga demanda do setor para disciplinar as práticas de transferência, comercialização e cessão do tempo de programação das emissoras de rádio e televisão para a veiculação de programação independente.

Para o relator, o projeto tem o mérito de preencher uma importante lacuna no ordenamento legal que rege os serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens. A matéria também busca, segundo o senador, garantir segurança jurídica às empresas do setor que, ao firmarem parcerias com outras produtoras de conteúdo, exercitam a livre iniciativa inerente a qualquer atividade econômica, diversificando seus negócios e fontes de receita.


--Continua depois da publicidade--

— As inovações trazidas pelo projeto estão acompanhadas de uma série de condições que garantem a execução dos princípios consagrados na legislação vigente bem como as responsabilidades assumidas pelos titulares das concessões e das permissões junto ao poder público — afirmou Vanderlan, ao defender o projeto.

No Plenário, foram apresentadas duas emendas ao texto. A primeira, do senador Paulo Paim (PT-RS), limitava em até 30% a cessão do tempo total da programação. A da senadora Rose de Freitas (MDB-ES) propunha o limite em 50%. A senadora terminou retirando sua sugestão e a emenda de Paim acabou sendo rejeitada. O relator alegou que o texto original traz garantias para que as finalidades educativas e culturais da programação não sejam desvirtuadas e também trata das responsabilidades do concessionário.

Justiça

O senador Carlos Viana (PL-MG) elogiou a qualidade do relatório de Vanderlan Cardoso. Para Viana, já existem leis para definir o que é publicidade ou produção independente nas rádios e nas TVs. Ele lamentou, no entanto, que nos últimos tempos muitos membros do Ministério Público vêm questionando a dimensão prática da legislação e levando os casos à Justiça.

— Por isso é importante retomar alguns projetos, tratar com clareza o tema e evitar a judicialização. Estamos dando tranquilidade a todos aqueles que trabalham com a radiodifusão — afirmou o senador.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

AVANÇO
Fundação Rio Verde: Investimento em maquinário eleva qualidade dos resultados de pesquisa científica
junho 30, 2022
Investigação
Vigilantes são detidos por furtar computadores de multinacional em Lucas do Rio Verde
junho 30, 2022
SEGURANÇA PÚBLICA
Comandante geral da PMMT diz ver Lucas com grande potencial na área de segurança
junho 30, 2022
PRISÃO
Foragido da Justiça é preso em Lucas do Rio Verde
junho 30, 2022