Da falha aos pênaltis, Muriel volta ao protagonismo pelo Fluminense: “Acredito muito no meu potencial”

0
Foto: André Durão

Herói do Fluminense na conquista da Taça Rio, Muriel não só viveu uma noite inspirada na última quarta-feira, mas também de volta por cima. Após um início de ano de questionamentos, o goleiro esbanjou segurança no empate em 1 a 1 com o Flamengo, foi decisivo na disputa por pênaltis ao defender duas cobranças e recuperou o seu protagonismo para os tricolores.

Com a atuação decisiva, Muriel afastou a desconfiança que já surgia em parte da torcida em razão do começo de ano de altos e baixos. O goleiro chegou ao Fluminense no segundo semestre de 2019 e foi importante na reta final do Campeonato Brasileiro, sendo apelidado de “Muroel”. Mas acabou o ano no departamento médico com uma fratura na mão esquerda. No início de 2020, ainda em recuperação, ficou fora das duas primeiras partidas e viu o reserva Marcos Felipe dar conta do recado.

Aliado a isso, Muriel oscilou entre boas e más atuações desde quando reassumiu a vaga de titular. Antes da pandemia, virou alvo de reclamações pelo gol do Gabigol no Fla-Flu do 3 a 2; foi criticado no gol do Madureira na vitória por 5 a 1; e chegou a ser contestado no gol do empate por 1 a 1 com o Unión La Calera, que acabou sendo o da dolorosa eliminação do clube Sul-Americana – apesar do chute ter sido forte, alguns tricolores acharam que era uma bola defensável pela distância.

No retorno ao Campeonato Carioca depois da quarentena, Muriel falhou logo no primeiro jogo, ao aceitar o chute que virou o primeiro gol do Volta Redonda na derrota por 3 a 0. Mas vale lembrar que era a reestreia do Fluminense após mais de 100 dias sem jogos e com poucas sessões de treinos presenciais. Apesar do acompanhamento virtual durante o confinamento, os goleiros têm mais dificuldades para treinar em casa.

– Realmente esse ano acredito que não pude fazer a diferença tanto quanto estava sendo feito ano passado. Passei por algumas situações diferentes, vim de uma lesão onde fiquei dois meses praticamente sem treinar. Aí tive praticamente 15 dias de treino até começarem os jogos. Estava voltando, adquirindo meu ritmo, aí parou mais três meses novamente. Por mais que treine em casa e faça seu melhor, mas sem ritmo de jogo, sem o campo, fica um pouco complicado – admitiu, em entrevista coletiva no CT Carlos Castilho nesta quinta-feira.

Mas Muriel não se abalou e, antes do Fla-Flu, foi decisivo também na semifinal contra o Botafogo: fez duas boas defesas no primeiro tempo, em cabeçada e chute de Pedro Raul. Ainda salvou o Fluminense no último minuto de jogo, em dois lances seguidos.

Na final da Taça Rio, o goleiro tricolor foi seguro contra o badalado Flamengo do início ao fim. No tempo regulamentar, fez grande defesa em cabeçada de Gabigol e foi bem nas saídas de gol nas bolas aéreas. E na disputa por pênaltis, foi crucial para o título ao defender as cobranças de Willian Arão e Rafinha.

– Tenho buscado evoluir novamente e fico feliz pelos últimos jogos. Acredito que ainda não estou no meu ápice, busco evoluir à cada dia. Tenho uma cobrança forte em cima de mim, sei do meu potencial, como posso ajudar o clube a buscar crescer. Mas saber que cada novo jogo pode mudar nossa história. Vamos ter um grande ano pela frente, e acredito muito no meu potencial.

– Nós jogadores lidamos com isso a vida inteira, não pode se abater com nosso fracasso, nem tirar os pés do chão quando tem êxito. Tem que encarar tudo com naturalidade.

Com Muriel e com o Fluminense com a moral elevada, a equipe de Odair decide o título do Campeonato Carioca mais uma vez contra o Flamengo, campeão da Taça Guanabara. O primeiro jogo acontece neste domingo, às 16h (de Brasília). Já o segundo será na próxima quarta-feira, às 21h30. Ambos no Maracanã e sem qualquer vantagem para uma das equipes.

Leia também: Previsões para o horóscopo do dia de hoje (10/08/2020)


Amazonia 03 de Junho