21.6 C
Lucas do Rio Verde
quarta-feira, 08 dezembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAEm último debate, comissões buscam solução para regularização fundiária

Em último debate, comissões buscam solução para regularização fundiária

Por

Como legislar sobre a regularização fundiária para reduzir desmatamentos, queimadas e grilagens e não incentivar a perpetuação dessas irregularidades pela credibilidade em anistias recorrentes é a dicotomia que os senadores das Comissões de Meio Ambiente (CMA) e Agricultura e Reforma Agrária (CRA) buscam solucionar. Para isso, nesta terça-feira (23), os colegiados promoveram conjuntamente a terceira e última audiência pública para embasar a análise de projetos de lei que unificam a legislação fundiária para todo o país.

Estão em análise o PL 2.633/2020, originário na Câmara, e o PL 510/2021, de autoria do senador Irajá (PSD-TO). O primeiro permite aumentar o tamanho (de quatro para seis módulos fiscais) de terras da União passíveis de regularização sem vistoria prévia.


--Continua depois da publicidade--

Já o projeto iniciado no Senado modifica o marco temporal para a comprovação da ocupação, que deverá ser feita pelo interessado ao demonstrar “o exercício de ocupação e de exploração direta, mansa e pacífica, por si ou por seus antecessores, anteriores a 25 de maio de 2012”. Atualmente, para regularizar a terra, o ocupante tem de comprovar que está na área (com até 2,5 mil hectares) desde antes de 22 de julho de 2008.

Relator dos projetos, o senador Carlos Fávaro ponderou a importância do tema “para quem está ocupando com vocação e há anos sonha com uma regularização justa que não acontece”.

— Com o amplo debate em todas essas audiências públicas, tivemos a possibilidade de ver os pontos sensíveis. Temos que fazer justiça social no campo com preservação ambiental.

O relator se disse atento com as datas dos marcos temporais propostos, assim como as alterações nos tamanhos dos módulos fiscais.


--Continua depois da publicidade--

— Tenho a tendência de rever as datas para não estimular novas invasões, assim como nos pontos que tangem o tamanho das propriedades.

Presidente da CMA, Jaques Wagner (PT-BA) destacou que em áreas públicas ocupadas irregularmente ou ilegalmente, a taxa de queimadas e desmatamento chega a 45%. O senador apontou a importância dos seis debates — três sobre licenciamento ambiental e três sobre regularização fundiária — para a instrução dos parlamentares e da sociedade sobre os assuntos em análise.

— A legislação atual já possibilita a regularização de 88% dos demandantes até quatro módulos fiscais. Por isso, fica aqui a pergunta: o problema é lei ou vontade de fazer?

Zequinha Marinho (PSC-PA) destacou que o estado do Pará é campeão em projetos de assentamentos, com 1.132 pedidos.

— É preciso termos uma previsão legal. A regularização fundiária traz soluções para uma série de coisas, entre elas a segurança jurídica, para usar a terra como garantia real, para buscar recursos.

Jayme Campos (DEM-MT) afirmou que a precarização dos órgãos públicos atrapalha a celeridade dos processos.

— Há uma dificuldade gigantesca nos órgãos competentes para sair um CAR [Cadastro Ambiental Rural]. (…) Há uma demanda reprimida nessa área: muitas vezes é privilegiar o marginal em detrimento de quem está produzindo na terra.

O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) também enfatizou que no Distrito Federal metade da população mora em áreas sem titulação. Ele considera lamentável que os assentamentos não sejam organizados com infraestrutura e matéria-prima, o que acaba levando a ocorrência de loteamentos.


--Continua depois da publicidade--

— E o pior é que o governo não consegue fiscalizar.

Benefícios

A regularização fundiária é benéfica ao meio ambiente, segundo o diretor de programa do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Anaximandro Doudement Almeida.

Isso acontece, de acordo com Almeida, a partir da exigência de inscrição no CAR e pela obrigação de que proprietários com passivos ambientais celebrem o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) e adiram ao Programa de Regularização Ambiental (PRA).

Além disso, apontou o diretor do Incra, há maior segurança jurídica e o eventual descumprimento desses termos ou o desmatamento ilegal podem ensejar o cancelamento do título emitido pelo órgão.


--Continua depois da publicidade--

Números do Incra apontam que o público total de regularização fundiária e agrária é de 116 mil famílias (em 25 milhões de hectares) na Amazônia Legal, 185 mil (em 1milhão de hectares) em glebas fora da Amazônia e 688 mil famílias (em 44 milhões de hectares) em assentamentos.

Na Amazônia Legal, a área de atuação do Incra se concentra em 2.180 glebas públicas. Ao se retirar as já destinadas, o Incra estima como passível de regularização na região a área correspondente a 4,9%.

Recentemente entrou em funcionamento a Plataforma de Governança Territorial (Incra).

— Vamos oferecer os serviços em uma única plataforma, com integração dos cadastros, o que gerará a conferencia automática de dados, dispensa de entrega de documentos e redução do tempo de resposta — expôs o diretor do Incra, que também destacou o uso de tecnologias como o sensoriamento remoto.

Consultor jurídico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rodrigo de Oliveira Kaufmann também vê benefícios na regularização fundiária, como a garantia de segurança jurídica, o fim da sua marginalização com o acesso ao crédito e a inclusão do produtor rural no mercado competitivo de produção agropecuária, assim como nas exigências de sustentabilidade ambiental e econômica do seu negócio.

— Para o país, é instrumento fundamental para o trabalho de fiscalização fundiária e ambiental, para a identificação dos infratores e garantia de adequada responsabilização. É medida efetiva de combate à grilagem, às queimadas ilegais e ao desmatamento, garantia da aplicação efetiva de lei, de formação de cadastro nacional e de informações essenciais para a elaboração de políticas públicas.

Malefícios

Para a pesquisadora do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), Brenda Brito, há que se questionar se os projetos em análise são compatíveis com as medidas para impedir o agravamento da crise climática, assim como se desestimular desmatamento e queimadas ilegais, preocupações que devem embasar os projetos apreciados pelo Congresso, segundo a debatedora.

— Vamos mover mais uma vez o ciclo de grilagem e desmatamento, com ocupação de terra pública, desmatamento para sinalizar a ocupação, pedido de titulação e lobby para a mudança da lei. Esse é o momento que estamos vivendo agora. E se a lei é alterada é mais um estímulo para as ocupações.

O PL 2.633, afirmou Brenda, legaliza procedimento inconstitucional e ilegal de destinação fundiária por permite regularização em florestas públicas.

— 45% das florestas públicas federais destinadas a regularização pela Câmara técnica já foram georreferenciadas. Se parte dessas áreas for de fato privatizada, teremos um risco de desmatamento de 11 mil a 16 mil km2 até 2027. A sociedade brasileira também perderia entre R$ 62 bilhões a R$ 88 bilhões (estimativa de 2016) pela venda de terras abaixo do valor de mercado.

Os projetos de lei aumentam o risco de legalização de conflitos, na opinião da pesquisadora do Imazon, já que a Lei 11.952, de 2009, dispensa a vistoria de até quatro módulos fiscais, enquanto o PL 2.633 expande essa dispensa para seis módulos fiscais e o PL 510 elimina vistoria até 2.500 hectares.

— Os PLs permitem titular áreas desmatadas recentemente e adiam demanda por regularização ambiental. A regularização fundiária é importante, mas não pode trazer novos problemas para o futuro. Já temos tecnologia para acelerar esse processo de regularização e não há nesse momento necessidade de alteração na legislação.

A desnecessidade de novas leis também foi ratificada pela pesquisadora da PUC-Rio e representante da coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, Cristina Lopes.

Ela enfatizou que “terras públicas somos todos nós” e que a transferência do público para o particular tem que ser feita com muitas balizas.

— É preciso antes avaliar a política atual de titulação para depois ampliar o processo.

Entre os pontos negativos dos projetos, a pesquisadora destacou que os textos tratam de definições de infração que não existem na legislação ambiental.

 — Essas definições esvaziam as salvaguardas ambientais — disse Cristina, ao destacar que pela primeira vez viu uma audiência pública ter a questão da preservação ambiental como algo premente.

Redes sociais

107,353FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,099SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Secretaria de Saúde de Lucas do Rio Verde reforça a importância de atualizar dados cadastrais
dezembro 07, 2021
Lucas do Rio Verde
Equipes do Viva Lucas apresentam bom desempenho em competição de Vôlei
dezembro 07, 2021
Lucas do Rio Verde
Prefeitura de Lucas do Rio Verde alerta população sobre cuidados para evitar dengue, zika e chikungunya
dezembro 07, 2021
Lucas do Rio Verde
Alunos do ‘Nós Podemos Nadar’ ganham mais de 400 medalhas em disputa estadual
dezembro 07, 2021