26.2 C
Lucas do Rio Verde
segunda-feira, 27 setembro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAÉ possível produzir carne com carbono neutro, aponta professor

É possível produzir carne com carbono neutro, aponta professor

Por CenárioMT com inf. Agência Senado

A produção de carne com emissões cada vez mais baixas de carbono passa pela transformação do pasto, segundo o professor de Agronegócio Global Marcos Jank, do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper). Ele participou nesta segunda-feira (23) do debate “Proteína animal: pilar das exportações do Brasil”, promovido pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado (CRE). Essa audiência faz parte do ciclo de debates “Agronegócio sustentável: a imagem real do Brasil”.

Segundo o professor, a maior parte do crescimento da agricultura não é em direção às áreas de floresta, mas sim às áreas de pastagens. Ele citou dados de 2010 da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Os números mostram, segundo ele, que 33% das pastagens estão em boas condições e 10% funcionam em integração com a agricultura, mas a maior parte, 57%, está em situação de degradação severa (26%) ou leve a média (31%).


--Continua depois da publicidade--

— O grande potencial que o Brasil tem hoje, a grande transformação, é a transformação do pasto. É onde a gente tem que concentrar toda a nossa atenção, em como a gente vai melhorar a qualidade do pasto para a pecuária e usar uma parte desse pasto para fazer uma agricultura integrada com a pecuária. É a grande transformação dessa década — afirmou o palestrante.

Jank ainda citou estimativas, também provenientes da Embrapa, que apontariam que as emissões de carbono caem expressivamente de acordo com a situação das pastagens. As emissões são significativamente maiores em pastagens degradadas e são reduzidas em pastagens estáveis e no confinamento, mas é em pastagens bem manejadas e em sistemas integrados que a queda é maior.

— É possível, sim, produzir carne de carbono neutro a partir de sistemas de pastagens bem manejadas e, principalmente, sistemas integrados lavoura-pecuária-florestas. Essa estimativa feita pela Embrapa mostra o quanto a tecnologia pode reduzir as emissões de gases de efeito estufa — ressaltou.

Desigualdade e demanda

O professor também afirmou que é preciso enxergar a situação de quem critica um possível aumento no consumo de carne. Para explicar a questão, ele afirmou que os países que têm maior crescimento populacional estão na África e no sul da Ásia, regiões em que há, segundo ele, o consumo mais baixo de proteína animal. De acordo com o professor, em muitos países dessa regiões o consumo anual per capita chega a 5 kg, enquanto em países como os Estados Unidos esse consumo fica acima dos 100 kg.


--Continua depois da publicidade--

— Uma parte do mundo critica consumo de carne. A gente tem que olhar que isso é muito mais uma questão de países ricos, que já estão consumindo volumes altos, do que de países em desenvolvimento — disse o professor, que apontou um problema ético nas críticas.

Jank afirmou que, em países ricos, uma dieta saudável, que inclui frutas legumes, carne e produtos frescos, custa menos de 10% da renda das famílias. No Brasil, a estimativa de custo está entre 10% e 25%. Já em países mais pobres, esse índice varia de 40% a 170% da renda, o que significa que em muitas áreas é impossível para grande parte das pessoas consumir uma dieta saudável.

— Ou seja: mais de 1,5 bilhão de pessoas no mundo não conseguem consumir dietas saudáveis, com frutas, legumes, lácteos, ovos, carnes e pescados, porque é caro demais para o orçamento das famílias, e é por isso que elas vão para dietas a base de tubérculos, carboidratos, refrigerantes — argumentou o professor, que apontou a capacidade do Brasil de contribuir para o aumento da produção de proteína animal.

Pandemia

O professor também falou sobre as mudanças que ocorreram após a pandemia, com uma maior preocupação com a sanidade animal. Para ele, é preciso cada vez mais estar atento a questões de segurança do alimentos e saúde pública. Entre os principais problemas que precisam ser combatidos estão a comercialização de animais vivos em mercados, a caça de animais silvestres e a falta de aplicação efetiva de legislação sanitária moderna.

Para ele, o Brasil está avançado na área de sanidade animal, com índices muito superiores aos da Ásia, por exemplo. Apesar de ainda haver problemas que precisam ser resolvidos, ele disse que o Brasil não exportaria tanto se não tivesse uma legislação sanitária moderna, controle sanitário e integração entre indústrias e produtores.

Participação

O senador Marcos do Val (Podemos-ES), que conduziu a audiência, leu vários questionamentos feitos por internautas por meio do Portal e-Cidadania.  Entre as perguntas estava uma sobre o motivo da alta de preços nos alimentos, apesar do aumento de produção.

Para o professor, o fenômeno pode ser explicado por vários fatores, como o aumento na demanda de soja e milho por parte da China e o câmbio, que teve impacto no custo de produção. De acordo com Jank, insumos, sementes, defensivos e máquinas mais caros tornam os produtos mais caros também. O caminho para solucionar o problema, disse o professor, não passa por intervenção do Estado para controlar exportações.

— Na minha opinião, isso se corrige é com mais produção, não com controle da exportação. A solução é: vamos exportar mais e vamos produzir mais e, com isso, equilibrar esses preços que subiram muito no começo do ano — argumentou.


--Continua depois da publicidade--

Redes sociais

107,348FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,041SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

AUDIÊNCIA PÚBLICA
Lucas: Vereadores e profissionais da educação discutem mudanças na escolha de gestão escolar
setembro 27, 2021
chegada dos trilhos em Lucas
Lucas do Rio Verde poderá se tornar grande centro tecnológico, afirma Marino Franz
setembro 27, 2021
Confira programação!
Covid-19: Confira quem está sendo vacinado em Lucas do Rio Verde nesta semana
setembro 27, 2021
Câmara de Lucas do Rio Verde aprova cessão estrutura de comunidade rural para empresa que constrói usina hidrelétrica
setembro 27, 2021