24.6 C
Lucas do Rio Verde
segunda-feira, 18 outubro, 2021
InícioCENÁRIO POLÍTICODIRETO DE BRASÍLIAAdiada votação de projeto que define ocupação às margens de rios em...

Adiada votação de projeto que define ocupação às margens de rios em áreas urbanas

A votação do projeto foi adiada para que o relator, senador Eduardo Braga (MDB-AM), aprimore o texto com sugestões apresentadas por outros senadores
Por CenárioMT com inf. Agência Senado

O Senado adiou para esta quinta-feira (14) a votação do projeto de lei que altera o Código Florestal e legislação correlata como forma de regulamentar edificações às margens de rios em áreas urbanas consolidadas, remetendo sua definição a uma lei municipal.

O projeto seria apreciado na sessão deliberativa desta quarta-feira (13), mas foi adiado para que o relator, senador Eduardo Braga (MDB-AM), aprimore o texto com as sugestões apresentadas por outros senadores. 


--Continua depois da publicidade--

O parecer do relator, senador Eduardo Braga (MDB-AM), foi pela aprovação do projeto de lei (PL) 2.510/2019, de autoria do deputado Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC), e pela prejudicialidade do PL 1.869/2021, de autoria do senador Jorginho Mello (PL-SC), e do projeto de lei do Senado (PLS) 368/2012, da ex-senadora Ana Amélia, aos quais tramitava apensado. Eduardo Braga destacou que a aprovação do PL 2.510/2019 contribuirá para gerar empregos e gerar segurança jurídica no país.

Em plenário, Eduardo Braga destacou ainda a importância da aprovação do projeto para a regularização ambiental em várias regiões do país. A matéria, que recebeu 22 emendas, constou de outras seis sessões deliberativas, mas teve sua votação adiada para esta quarta (13), por falta de acordo entre as lideranças partidárias. O projeto também foi tema de sessão de debate temático realizada pelo Senado, em agosto, na qual especialistas discutiram critérios técnicos e a regulamentação sobre edificações que margeiam os rios em áreas urbanas.

— Esse é um projeto que tem impacto para milhares de brasileiros que estão desempregados e para milhares de empreendimentos imobiliários, residenciais, comerciais ou industriais, que estão ilegais, em função da vacância que ficou quando da aprovação do Código Florestal e de veto presidencial a essa legislação, mantido pelo Congresso, criando distorção entre área de preservação ambiental na zona rural e zona de proteção ambiental na área urbana, o que impôs limites exagerados às áreas urbanas, criou insegurança jurídica e deixou passivo de ilegalidade que precisa ser corrigido — afirmou o relator.


--Continua depois da publicidade--

Redes sociais

107,355FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,058SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

SEGURANÇA NO CAMPO
Produtores rurais de Lucas conhecem sistema da PRF para comunicação de roubos e furtos
outubro 17, 2021
MEIO AMBIENTE
Em parceria com iniciativa privada, Rotary de Lucas lança projeto de reciclagem de lixo eletrônico
outubro 17, 2021
BAIRRO PRIMAVERA
Mulher é encontrada morta em residência de bairro de Lucas do Rio Verde
outubro 16, 2021
ENSINO SUPERIOR
Com anúncio das comemorações dos 20 anos em Lucas, Unilasalle lança Vestibular 2022
outubro 16, 2021