28.9 C
Lucas do Rio Verde
sexta-feira, 22 janeiro, 2021
Início CENÁRIO POLÍTICO AL-MT Deputados identificam falta de efetivo na Delegacia Regional de Alta Floresta

Deputados identificam falta de efetivo na Delegacia Regional de Alta Floresta

Por CENÁRIOMT

Os deputados estaduais Delegado Claudinei (PSL) e Ulysses Moraes (PSL), respectivamente presidente e membro titular da Comissão de Segurança Pública e Comunitária da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), estiveram na Delegacia Municipal da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso (PJC), em Alta Floresta, na quinta-feira (15), para conhecer o desenvolvimento dos trabalhos e principais necessidades da instituição.

O município é o oitavo pólo regional da Região Integrada da Segurança Pública (Risp) de Mato Grosso visitado pela comissão da ALMT. A delegada regional titular, Ana Paula Reveles de Carvalho, recepcionou os parlamentares na sede da delegacia municipal, apresentou toda a estrutura e as principais ações realizadas pela Regional que atende mais sete municípios da região norte de Mato Grosso. Também, esteve presente o delegado de polícia Pablo Bonifácio Carneiro.

Estrutura – Ana Paula Carvalho mostrou a sala de atendimento para crianças e adolescentes vítimas de abuso e violência e explicou a metodologia aplicada para o atendimento deste público específico. “Essa sala também atendemos testemunhas que presenciaram casos de violência. Está previsto a criação de um Núcleo para atender mulheres vítimas de violência doméstica. Já existe uma equipe que já atua nestes casos, estamos fazendo uma reformulação para ser efetivado este projeto”, explica a delegada regional.

Em relação a viaturas, a delegada conta que grande parte das unidades possuem o modelo Duster, mas que – conforme a época do ano – este tipo de veículo não consegue trafegar em determinadas regiões. Nova Bandeirantes, por exemplo, já conta com uma camionete L-200, assim como Paranaíta, cujo veículo já é antigo. Lá, o prefeito municipal se dispôs a assinar um Termo de Cooperação Técnica para assumir a manutenção. “Agora estamos aguardando o posicionamento final da Secretaria de Estado de Segurança Pública para contarmos com essa parceria que veio em boa hora para nós”, explica.

A sede da delegacia de Nova Bandeirantes é de madeira e a de Apiacás tem condições são precárias, mesmo sendo de alvenaria. Conforme  Ana Paula Carvalho, há um anseio para a construção de novos prédios para oferecer um ambiente melhor para os policiais civis e a população.

Em relação ao volume de ocorrências na região, a delegada destaca  Alta Floresta e Colíder, além de Nova Bandeirantes, Apiacás e Nova Monte Verde que não possuem delegados de polícia. “Estes municípios vêm registrando muitos conflitos e crimes contra a vida. Em Nova Bandeirantes houve um expressivo aumento de homicídios, principalmente em decorrência do tráfico de drogas”, conta.

Efetivo – A Delegacia Regional de Alta Floresta conta com quatro delegados de polícia e um licenciado das atividades. “Nas instituições de segurança pública estão faltando servidores e na polícia civil não é diferente, pois isso é um problema praticamente geral em nosso estado. Aqui, há uma carência de delegados para atender oito municípios e acredito que há dificuldades de atendimento pela distância de um município para outro”, explica o deputado delegado Claudinei.

O presidente da Comissão ressalta que, no início do ano, o delegado-geral da PJC, Mário Dermeval, informou sobre a perspectiva da nomeação de 50 delegados de polícia. Desses, 30 foram nomeados no mês de junho deste ano. “A gente continua cobrando o governador e o secretário de segurança pública para que, no início de 2021, eles nomeiem mais delegados para fazerem a Academia de Polícia – que demora no mínimo uns quatro meses – e, assim, possam estar lotados, principalmente no interior, como aqui em Alta Floresta e região”, explica o parlamentar.

A delegada regional também chama a atenção para o fato de Apiacás e Nova Bandeirantes não possuirem escrivães. “Nos lugares que estivemos visitando pela Comissão, existem investigadores fazendo o papel de escrivães. O investigador poderia estar fazendo o trabalho nas ruas, trazendo informações, provas para o inquérito policial, infelizmente, por falta de efetivo, chegam a atuar como escrivão. Isso acaba prejudicando o trabalho investigativo e, consequentemente, as ações da polícia civil”, destaca o deputado.

A Delegacia Regional abrange as delegacias municipais de Alta Floresta, Apiacás, Carlinda, Colíder, Nova Bandeirantes, Nova Canaã do Norte, Nova Monte Verde e Paranaíta.



Dayelle Ribeirohttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT
- Publicidade -

Últimas