Matrícula de ex-miss para medicina em vaga de deficiente na Ufac é rejeitada após polêmica

0
Foto: Reprodução/Instagram

A ex-miss Acre Hyalina Lins Farias, de 21 anos, teve a matrícula indeferida pela Universidade Federal do Acre (Ufac) após ser convocada na lista da 2ª chamada do Sisu para o curso de medicina em vaga para deficiente e gerar muita polêmica. A lista de indeferimentos foi divulgada na noite de quarta-feira (19) pela universidade.

Ela foi convocada para o curso de medicina na modalidade de candidatos com deficiência e com renda familiar bruta per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo, que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas.


-Continua depois da publicidade ©-

Conforme o edital, a comissão que avaliou a documentação dos estudantes convocados entendeu que ela não comprovou a existência de deficiência elegível para a política de ação afirmativa.

Ao todo, 48 estudantes tiveram a matrícula indeferida para o campus da Ufac na capital acreana e outros 14 para a universidade em Cruzeiro do Sul, no interior do estado. A decisão ainda cabe recurso entre os dias 20 e 21 de fevereiro, das 8h às 12h e das 14h às 17h.

Em Rio Branco, os recursos devem ser feitos no bloco da reitoria, na Ufac. E, em Cruzeiro do Sul, no protocolo geral do campus da cidade.

Polêmica

Desde que Hyalina, que foi miss Acre em 2018, foi convocada pela universidade na 2ª chamada do Sisu, o caso gerou polêmica nas redes sociais e alguns internautas chegaram a alegar que a jovem não tinha deficiência e possuía uma vida de luxo.

“O problema é que ela não cumpre os requisitos ué [sic], tirou a vaga de uma pessoa que cumpre. Ela não tem baixa renda e nem é deficiente”, disse um internauta.

“Ela falou, falou nos stories, e não disse a deficiência. Entrar com esse tipo de cota, mentindo, é muita falta de caráter”, diz outro comentário.

Em entrevista no dia 12 de fevereiro, Hyalina explicou que sofre de baixa visão desde a infância e atualmente tem 20 graus de miopia. Mesmo usando lente de contato, ela diz que não consegue enxergar perfeitamente com nenhum tipo de lente corretiva.

“Minha visão não é perfeita. Queria que fosse, mas não é, e não é algo que exponho na minha rede social. Em relação à renda, minha família tem baixa renda. Fui uma pessoa que sempre morou em periferia, sempre peguei ônibus para estudar. Estudei em creche pública, ensino fundamental e médio em escola pública. Tenho como comprovar”, frisou na época da polêmica.

A jovem já é estudante do curso de enfermagem da Ufac. Ela revelou que deve largar o curso para estudar medicina.

Viagens pagas pelo namorado

Sobre as fotos de viagens e passeios postadas nas redes sociais, Hyalina falou que as despesas são custeadas pelo namorado, que é cirurgião plástico no estado acreano.

“Ele viaja e me leva com ele. Posto fotos das viagens, mas quem custeia isso é ele. A renda da minha família não tem nada a ver com isso. De repente as pessoas passaram a olhar para isso. Não mereço só porque namoro uma pessoa que estudou e conseguiu vencer na vida? Se ele me largar amanhã eu continuo a mesma. Só vou parar de viajar”, lamentou.

Hyalina falou também que se preparou para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em um curso preparatório, por meio de uma bolsa. A jovem garantiu ainda que não trabalha, mas que faz parcerias com lojas e ganha descontos em produtos ou brindes.