Gallo diz que MT fecha ano com menos de R$ 500 mi de déficit e busca pagar 13º salário até dia 20

0
Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, afirmou que Mato Grosso deve fechar o ano com menos de R$ 500 milhões de déficit. Ele citou que a gestão de Mauro Mendes (DEM) iniciou 2019 com R$ 1,6 bilhão de estouro orçamentário, mas com as medidas adotadas este valor foi reduzido. Gallo também disse que tem trabalhado para que o pagamento do 13º salário dos servidores seja feito até o dia 20 de dezembro.

Em entrevista à Rádio Jovem Pan o secretário foi questionado sobre o déficit nas contas do Estado. Ele contou que em 2018 houve um crescimento grande da despesa obrigatória e quando a gestão atual tomou posse várias medidas tiveram que ser tomadas para reduzir os gastos. Ele avalia que agora o Estado está em uma trajetória sustentável.

“Nós começamos o ano com R$ 1,6 bilhão de estouro orçamentário, quer dizer, tinha mais despesa programada para 2019 do que dinheiro. Com o controle que foi feito, cortando e segurando a despesa de pessoal, por conta do respeito à lei, cortando na despesa de custeio, fazendo um gasto eficiente, nós devemos fechar com menos de R$ 500 milhões de déficit. Nós estamos falando só em um ano, temos segurado a despesa obrigatória em mais de R$ 1 bilhão, isso é muito significativo e fazia muito tempo que não ocorria em Mato Grosso, então hoje nós já temos uma situação financeira melhor, a ponto de dar ao servidor e ao conjunto dos fornecedores no Estado, e ao cidadão, uma perspectiva melhor”, disse.

Ele também disse que deve ir à Assembleia Legislativa para expor, na CPI, a situação financeira do Estado. Com este cenário mais promissor o secretário também afirmou que tem adotado medidas para que o pagamento do 13º salário dos servidores do Estado seja feito antes do Natal.

“Perspectiva [melhor], por exemplo, em relação ao servidor, de pagamento do 13ª no dia 20 de dezembro, com medidas que nós estamos adotando aí, estamos trabalhando aprovisionamento de recurso, estamos quase lá”.


Amazonia 03 de Junho