Depois de atingir o menor preço do ano em Cuiabá, R$ 2,09, o litro do etanol hidratado engatou ladeira acima até se estabilizar em atuais R$ 2,59. Esse valor – apesar da safra cheia da cana-de-açúcar e da safra recorde de milho safrinha no Estado – se iguala ao mesmo patamar de preços que vigorou na média do primeiro trimestre desse ano.

Mesmo com a variação no mês passado, que levou o custo médio do litro do biocombustível para R$ 2,46, a média estadual segue sendo a menor do País, atrás do registrado no estado de São Paulo, cujo preço médio está em R$ 2,58, conforme levantamento semanal realizado pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)

--
-Continua depois da publicidade ©-
--

Agosto abriu exibindo preços mais salgados ao consumidor, em geral os mais observados pelas revendas de Cuiabá e Várzea Grande, estão na faixa de R$ 2,37, R$ 2,39, R$ 2,47 e R$ 2,59. Vale lembrar que antes dessa majoração, era bastante comum abastecer com etanol hidratado a R$ 2,13, R$ 2,15, R$ 2,19 e R$ 2,29. Sem falar na mínima, como a de R$ 2,09, registrada por alguns dias em um posto de Cuiabá.

Dentro dessa variação no mercado das duas cidades está o consumidor que perdeu a ‘economia’ que vinha contabilizando desde junho, quando as baixas começaram a fazer diferença na bomba e no bolso. Quem ‘tanqueou’ o carro a R$ 2,09 – média de 50 litros – paga hoje R$ 25 a mais, considerando um passado recente de R$ 2,09 para atuais R$ 2,59, que na tanqueada custa R$ 129,5. A R$ 2,09, o valor pago pelo consumidor era de R$ 104,4. Um pelo outro gera a diferença de R$ 25.


-Continua depois da publicidade ©-

A mesma ‘taqueada’ a R$ 2,19 custava R$ 109,5, a R$ 2,29 foi a R$ 114,5, a R$ 2,39 custa R$ 119,5 e a R$ 2,59 custa R$ 129,5.