A segunda safra de milho 18/19 no Brasil está bastante adiantada, pois foi favorecida pela antecipação da colheita da soja e o aproveitamento da janela climática. Por isso, a Conab projeta uma produção total de milho segunda safra em 70,6 milhões de toneladas para o país, um aumento de 31,1% em relação à safra 17/18.

De acordo com a Companhia, o centro-oeste se destaca sendo responsável por cerca de 68,5% da produção nacional, e a colheita está em pleno vapor em maior parte da região. Enquanto que em MT, a colheita alcançou 40,8% da área (segundo o Imea – 28/06), Mato Grosso do Sul chegou a 5,7% (26/06), e Goiás a 30,0% (28/06) de área colhida, conforme a Famasul e Ifag, respectivamente.

Apesar da maior oferta do cereal no mercado, o que poderia pressionar os preços, o produtor deve ficar atento, pois a saca de milho em MT valorizou 0,8% na semana favorecido pela disputa entre os mercados interno e externo, gerando oportunidades de negócio.

Confira os principais destaques do boletim:

• Devido à queda nas cotações de Chicago e no dólar corrente, a paridade de exportação fechou a semana com variação negativa de 2,83%. Apesar disso, ficou cotada a R$ 25,00/sc, o que representa R$ 4,07/sc acima que em 2018.

• Os prêmios voltaram a reagir com 24,00%  de avanço na semana, em decorrência do maior interesse pelo cereal nacional e atingiram US$ 0,25/bu.



• O dólar corrente apresentou um recuo de 0,58% e cotação média de R$ 3,84/US$, pautado, principalmente, sobre as expectativas de avanço da reforma da previdência.

• A relação frete/milho nesta semana exibiu aumento de 8,24%, em consequência da alta no indicador disponível e no preço do frete base Sorriso.

OPORTUNIDADES NO SPOT: Após a segunda quinzena de maio, os contratos de milho se valorizaram na bolsa CMEChicago. Devido a esse aumento, surgiram maiores oportunidades de exportação, pois acabou deixando o cereal de origem nacional mais competitivo no mercado internacional.

Isso contribuiu para uma expectativa de aumento nos volumes exportados para 2019. Apesar de a colheita estar avançada para o período e do aumento da oferta no mercado disponível, este maior interesse do mercado externo, aliado a um período de maior procura interna, acirrou a disputa pelo milho do produtor, resultando na valorização do milho em Mato Grosso.

Em junho, o indicador de preço do Imea para MT registrou uma valorização de 7,02% e cotação média de R$ 24,02/sc (28/06), sendo assim o valor mais alto registrado desde jan/17.

Agora com as oscilações na CME-Group, cabe ao produtor se atentar às suas estratégias de comercialização para analisar os riscos, e assim ficar menos exposto.