USP e Mackenzie repudiam mensagens de alunos incitando à violência

0

A direção da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Presbiteriana Mackenzie repudiaram ações de incitação à violência e racismo que estão ocorrendo dentro do ambiente universitário. No caso da USP, estudantes tiraram foto portando arma e exibindo mensagens ofensivas. No Mackenzie, estudante vem publicando vídeos com apologia à violência e ao racismo.

De acordo com nota da FEA, além de todos os esforços da instituição para manter integridade e paz em seu ambiente, destacou que as ações que intimidem, ofendam e causem reações e danos serão “rigorosamente coibidas e punidas”. A reação ocorreu após divulgação de uma foto de quatro rapazes com mensagem ofensiva a petistas, que teria sido feita em uma sala de aula da instituição.


“A universidade existe como um campo de debate de inúmeros temas, inclusive o político, e a nossa tradição é pacífica. E queremos que assim continue, para todos, em um ambiente em que a pluralidade seja uma prática real, politica, religiosa, de gênero ou outra perspectiva”, diz a nota de repúdio da FEA, assinada por seu diretor Fábio Frezatti.

A instituição ressalta que situações que podem ser pensadas como “brincadeira” podem ser o estopim para aumento da agressividade e ameaças, o que seria inaceitável.

  Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

Racismo

Já a Universidade Presbiteriana Mackenzie tomou conhecimento de vídeos produzidos por um estudante, fora do ambiente da instituição, que foram divulgados nas redes sociais, nos quais ele faz discurso incitando a violência, com ameaças e manifestação racista.

Em nota do reitor Benedito G. Aguiar Neto, o Mackenzie disse que “tais opiniões e atitudes são veementemente repudiadas por nossa instituição que, de imediato, instaurou processo disciplinar, aplicando, preventivamente, a suspensão do discente das atividades acadêmicas. Iniciou, paralelamente, sindicância para apuração e aplicação das sanções cabíveis”.

Passeatas

Anteontem (29) manifestantes a favor e contra Jair Bolsonaro fizeram passeatas pelo campus da Universidade de São Paulo (USP).

Um grupo no Facebook chamado USP Livre chamou manifestação para comemorar vitória de Bolsonaro dentro do campus. Cerca de 15 pessoas saíram em passeata da Escola Politécnica da universidade, protegidas por forte aparato policial.

Em protesto contra Bolsonaro e contra o fascismo, um grupo formado na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU), ambas da USP, ocuparam o pátio das duas faculdades e também saíram em passeata pelo campus.

Edição: Davi Oliveira