Corrupção joga a população contra o Congresso
Publicado em 20/04/2017 às 16:34 | CenárioMT com Agência Senado
+ -



Roque de Sá/Agência Senado

O senador Alvaro Dias (PV-PR) lamentou a descrença generalizada que a sociedade nutre em relação a algumas instituições públicas do país. Ele citou pesquisa publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, segundo a qual o Congresso Nacional é considerado confiável por apenas 10% dos entrevistados.

 

Essa imagem negativa que a sociedade tem do Poder Legislativo, disse Alvaro Dias, não decorre do trabalho dos procuradores da República que atuam junto à Operação Lava Jato, da Polícia Federal, como chegaram a afirmar alguns senadores em Plenário.

 

– Chegaram a afirmar que a força tarefa da Operação Lava Jato joga a população brasileira contra o Congresso. isso é inverossímel. O que joga a população brasileira contra o Congresso é a corrupção, é esse mar de lama exposto aos olhos da Nação – afirmou o senador.

 

Alvaro Dias alertou, ainda, que, em relação ao Congresso Nacional, esse cenário pode piorar, se houver a votação do projeto sobre abuso de autoridade, que, na opinião dele, pode enfraquecer a Operação Lava Jato.

 

Unila

Alvaro Dias também cobrou do governo federal providências em relação à Universidade Federal da Integração Latinoamericana (Unila), para evitar mais prejuízos ao Brasil.

 

Informações obtidas pelo senador revelam que a instituição, criada em 2010 e sediada na cidade de Foz do Iguaçu, conta com 2.722 estudantes, um terço dos quais, estrangeiros.

 

A universidade, que deveria ser financiada pelo Brasil e países vizinhos, onera apenas os cofres brasileiros.

Além disso, Alvaro Dias criticou o conteúdo das disciplinas oferecidas ao estudante, que, na opinião dele, é direcionado para doutrinas que ele classificou de bolivarianas.

 

Outro problema da instituição, apontado por Alvaro Dias, é quanto à estrutura física. Segundo o senador, a obra do prédio está paralisada, o que exige do governo brasileiro o aluguel de edifícios para que as aulas sejam ministradas.

 

– Lá há um monumental elefante branco. É preciso esclarecer o que houve lá. Por que a obra está paralisada? É preciso também informar a população do Paraná e do país sobre estas denúncias de que lá se constituiu um aparelho ideológico, um aparelho com orientação ideológico definida para orientar a juventude que lá procura estudar – disse o senador.