Maior de Mato Grosso, Rondonópolis exporta mais de U$ 2,3 bilhões em 9 meses

Fonte: CENÁRIOMT

16 2 1

Maior exportador de Mato Grosso, Rondonópolis chega a setembro somando U$ 2.301,61 bilhões em exportações neste ano. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e trazem o balanço de comércio exterior entre os meses de janeiro e setembro de 2023.

Com esse montante, as exportações da cidade representaram 9,8% de tudo que foi exportado pelo estado no período. O balanço aponta que, mesmo com queda de 2,3% nas exportações deste ano em relação ao mesmo período de 2022, o valor representa 0,9% do total das exportações brasileiras no período. Índice que coloca a cidade como a 16ª maior exportadora do país.

As importações também tiveram redução neste ano em comparação com o mesmo período de 2022. Entretanto, mesmo com queda de 58,7% com relação ao ano passado, Rondonópolis importou um total de U$ 845,4 milhões, volume que mantém a cidade como a que mais importa em Mato Grosso e a 46ª no Brasil. O montante importado representou 36% das importações do estado e 0,5% da brasileira.

Com as exportações somando U$ 2.301,61 bilhões e as importações U$ 845,4 milhões, o Município registrou, entre janeiro e setembro, um superávit de U$ 1.456,21 bilhão.

[Continua depois da Publicidade]

Os dados do governo federal mostram ainda que somente no mês de setembro, o total exportado por Rondonópolis foi de U$ 226 milhões, enquanto o importado chegou a U$ 116 milhões. Tanto as exportações como as importações caíram 9,1% e 59,9%, respectivamente, em setembro deste ano em relação ao mesmo mês de 2022.

No período, a maior parte das exportações da cidade foram de torta e resíduos da extração do óleo de soja. As exportações do produto tiveram aumento de 2,5%, e representaram 51% do total das exportações no período, somando U$ 1,18 bilhão.

A soja, segundo produto mais exportado por Rondonópolis, representou 30% do total exportado, mesmo com redução de 2,4% em comparação com o mesmo período do ano passado, chegando a U$ 698 milhões.

Outros produtos com destaque nas exportações locais, o milho representou 6,5% do total exportado, com U$ 150 milhões, e a carne bovina, 4,1%, com U$ 94,2 milhões.

[Patrocinado]

Já entre os produtos importados, os fertilizantes representaram a maioria das importações. Os adubos potássicos, os compostos e os azotados representam a maior parte das importações no período, com 47%, 23% e 16%, respectivamente.

A Ásia foi o principal destino das exportações de Rondonópolis entre janeiro e setembro deste ano. Para a China foram exportados U$ 743 milhões, valor 10,7% maior que no mesmo período de 2022. As exportações para o país representaram 32,3% do total exportado pela cidade.

Ainda entre os principais compradores, Tailândia e Indonésia, receberam 22,4% e 13%, respectivamente, das exportações locais. Para a Tailândia foram exportados U$ 514 milhões e para a Indonésia, U$ 300 milhões.

As importações do período vieram principalmente do Canadá e da Rússia. Do país norte-americano, foram importados U$ 179 milhões, enquanto da Rússia, as importações somaram U$ 174 milhões.

Conheça a história de Rondonópolis

Segundo estudos realizados no sítio arqueológico Ferraz Egreja, os primeiros sinais de vida em terras que hoje pertencem ao município de Rondonópolis datam de pelo menos cinco mil anos atrás.

Desde o final do século XIX, a ocupação local é marcada por um contingente de índios Bororo, pelo efetivo do destacamento militar em Ponte de Pedra, de 1875 a 1890, e pelas comitivas de aventureiros que se arriscavam pela região em busca de ouro e de pedras preciosas.

[Continua depois da Publicidade]

Por último, chegaram as expedições da Comissão Construtora das Linhas Telegráficas, entre 1907 e 1909, sob o comando do então primeiro tenente Cândido Rondon, que determinavam o traçado da linha telegráfica para interligar os estados do Mato Grosso e do Amazonas ao resto do país – fruto dessa investida, em 1922 é inaugurado o posto telegráfico, às margens do rio Poguba.

A partir de 1902, inicia-se a história de povoamento do Rio Vermelho, com a fixação de famílias procedentes de Goiás, Cuiabá e de outras regiões do estado. Em 1915 havia cerca de setenta famílias na localidade. Estas viviam com certa organização econômica, social e política e também tinham preocupação com as primeiras letras.

Neste mesmo ano, Joaquim da Costa Marques, presidente de estado do Mato Grosso, promulga o Decreto Lei n.º 395, que estabelecia uma reserva de dois mil hectares para o patrimônio da povoação do rio Vermelho. Esse Decreto marca oficialmente a existência do povoado (a futura cidade de Rondonópolis), cuja data de fundação foi em 10 de agosto de 1915.

 

Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso. Já trabalhou em Rádio Jornal (site e redação).