A maior cidade do agronegócio no Brasil, comemora 465 anos

0

Dia 25 de janeiro é comemorado o aniversário da cidade de São Paulo, a maior do país no agronegócio.

José Luiz Tejon Megido

A fundamentação do agronegócio veio da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, com o termo ‘Agribusiness’, e no Brasil, pela Universidade de São Paulo (USP), com o Programa de Estudos do Setor Agroindustrial (PENSA). Estudamos e aprendemos ao lado do pioneiro do assunto no Brasil, Ney Bittencourt de Araújo, fundador da Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG).

Agronegócio está no antes das porteiras das fazendas, com a ciência e a tecnologia; está dentro das porteiras com a agropecuária propriamente dita; e vai muito além das porteiras das fazendas com a logística, transportes, telecomunicações, comércio, armazenagem, restaurantes, supermercados e a agroindústria, em que se dá a agregação de valor sobre as matérias-primas produzidas no campo.

Grupo do CenárioMT no WhatsApp 

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  ENTRAR NO GRUPO

Ao incluirmos todo esse complexo agroindustrial, de comércio, serviços, educação, comunicação e tomadas de decisão com bolsas, sistema financeiro e tradings, temos a cidade de São Paulo, como uma das maiores do mundo em agronegócio. Por ela passa o negócio do agro do país.

Em São Paulo, no início do século XX, surgiu o Plano de Valorização do Café. Empresários paulistas transformaram o peso dessa commodity em um plano de valorização. Foi um marco divisor de águas na inteligência comercial brasileira.

Foi criada em São Paulo a primeira escola de economia, a Fecap, em 1902, onde seu fundador escreveu: “Além de sabermos produzir bens agrícolas precisamos ensinar e aprender a arte do seu comércio”. Sem dúvida, foi uma das primeiras declarações sobre agronegócio da história brasileira.

Foi criado também um colégio que deu origem à cidade de São Paulo, fundado pelos jesuítas Manoel da Nóbrega e José de Anchieta. Ergueram um barracão no alto de uma colina entre os rios Anhangabaú e Tamanduateí. Jesuítas são gente de coragem, e fizeram o Colégio de São Paulo em uma nobre área, com águas, rios e terras que eram otimamente agricultáveis. Hoje virou indústria, comércio e serviços do Sistema Agronegocial.

Por isso eu digo, parabéns São Paulo: a maior cidade de agribusiness do país.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

 

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

 

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

 

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel.

  Ministro quer simplificar licenciamento sem abrir mão de garantias

 


Por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS).

| deixe sua opinião |

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui