“Sou contra a taxação; isso desestimula”, afirma deputado eleito

Ulysses Moraes diz que medida proposta por aliados de Mauro Mendes não é inteligente

0
O deputado estadual eleito Ulysses Moraes, que é contra a taxação do agronegócio

O deputado estadual eleito Ulysses Moraes (DC) disse ser contra a possibilidade de criação de uma legislação aos moldes da que existe em Mato Grosso do Sul para taxação do agronegócio em Mato Grosso.

 


O debate tomou corpo após aliados do governador eleito Mauro Mendes (DEM), entre eles o senador Jaime Campos (DEM), defenderem a medida como uma das melhores saídas para a crise de caixa do Estado.

 

Pela legislação do Estado vizinho, as empresas do agro devem destinar para o mercado interno o correspondente a 50% daquilo que é exportado – ou cerca de 30% da produção total. Em Mato Grosso, não existe essa obrigação.

 

Para o novato, entretanto, a medida desestimula o setor e ainda acarretará mais impostos à população.

 

Sou contra a taxação de qualquer setor. Não é só do agronegócio, do comerciante. Sou contra a taxação de qualquer setor

 

“Sou contra a taxação de qualquer setor. Não é só do agronegócio, do comerciante. Sou contra a taxação de qualquer setor. Estamos falando de uma economia que precisa ser incentivada, estimulada. Qualquer tipo de taxação desestimula, desagrega. Então, temos que parar e ir com calma nesses pontos”, disse em entrevista à rádio Capital FM.

 

“Todos os Poderes têm que fazer um esforço, porque temos um Estado extremamente inchado. Mas não podemos fazer como alguns parlamentares estão pregando, que precisa jogar a conta para o contribuinte, aumentando tributo. Aumentar tributo é jogar a responsabilidade para o cidadão, que não tem nada a ver com a administração pública”, afirmou.

  Moro reitera defesa por regulamentação de lobby

 

Ulysses ainda criticou o deputado Wilson Santos (PSDB), que tem defendido a taxação desde seu atual mandato na Assembleia Legislativa.

 

Segundo o tucano, a medida poderá aumentar a receita do Estado em cerca de até R$ 800 milhões por ano.

 

“Sou contra qualquer tipo de aumento de tributo. Espero, inclusive, que o Wilson Santos não tenha gasto dinheiro público fazendo esses outdoors irresponsáveis pela cidade. Temos que parar de ficar jogando a culpa para o cidadão”, disse.

 

Para o novato, é preciso ampliar os programas de isenção de modo, segundo ele, a estimular a ampliação de mercado e criação de empregos.

 

“Hoje, nós temos Mato Grosso como referência a nível nacional em economia, que segurou o gargalo da crise econômica justamente por conta do agro. Essa taxação é querer desestimular o setor. Eu não vejo isso como inteligente”, afirmou.

 

“Estive debatendo isso, inclusive, com o ministro da economia do Bolsonaro, Paulo Guedes. Ele se disse contra novos tributos. Não vamos criar novos tributos. Qualquer tipo de taxação desestimula a criação de novos empregos”, completou.


| deixe sua opinião |

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui