Sonda Voyager 1 ressuscita e retoma operações científicas após problemas técnicos

Fonte: CenárioMT

Sonda Voyager 1 ressuscita e retoma operações científicas após problemas técnicos

A espaçonave Voyager 1 da NASA está de volta à ativa e conduzindo operações científicas normais pela primeira vez desde o final de 2023, quando a veterana sonda começou a transmitir dados inúteis.

Todos os quatro instrumentos operacionais restantes da espaçonave estão agora enviando dados utilizáveis ​​para a Terra, de acordo com a NASA.

Alguns ajustes adicionais são necessários para corrigir os efeitos do problema. Os engenheiros precisam ressincronizar o software de cronometragem dos três computadores de bordo da Voyager 1 para garantir que os comandos sejam executados nos horários corretos. A manutenção também será realizada no gravador de fita digital, que registra alguns dados do instrumento de plasma para um downlink semestral para a Terra.

[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

À medida que o 50º aniversário do lançamento da Voyager 1 se aproxima rapidamente, e com a sonda agora a 24 bilhões de quilômetros da Terra, restaurar a funcionalidade é um feito impressionante de engenharia.

Os problemas da Voyager

Sonda Voyager 1 ressuscita e retoma operações científicas após problemas técnicos

Tudo começou em novembro de 2023, quando a espaçonave parou de transmitir dados utilizáveis ​​de volta à Terra. Em vez de dados de engenharia e ciência, a NASA se deparou com um padrão repetitivo de uns e zeros, como se a espaçonave estivesse travada.

Os engenheiros suspeitaram que o problema estava no Sistema de Dados de Voo (FDS) e, em março, enviaram um comando – apelidado de “cutucão” – para fazer o FDS tentar outras sequências de software e, assim, contornar o que quer que estivesse causando o problema.

O resultado foi um despejo completo de memória do computador, o que permitiu aos engenheiros identificar onde a corrupção havia ocorrido. Parecia que um único chip estava funcionando mal, e os engenheiros enfrentaram o desafio de criar uma atualização de software que contornasse o hardware defeituoso.

Dados de engenharia utilizáveis ​​começaram a ser devolvidos no final de abril, e em maio a equipe da missão enviou comandos para instruir a sonda a manter o fluxo de dados científicos. O resultado foi que o subsistema de ondas de plasma e o instrumento magnetômetro começaram a enviar dados imediatamente. De acordo com a NASA, o subsistema de raios cósmicos e o instrumento de partículas carregadas de baixa energia precisaram de um pouco mais de ajustes, mas agora estão operacionais.

O resgate foi ainda mais impressionante pelo fato de levar 22,5 horas para um comando chegar à Voyager 1 e outras 22,5 horas para uma resposta ser recebida na Terra.

Quanto tempo mais as Voyagers (incluindo a Voyager 2) podem continuar funcionando é uma incógnita. As fontes de energia estão se degradando gradualmente, e os engenheiros têm desligado sistemas não essenciais para economizar recursos cada vez mais escassos pelo maior tempo possível.

Graças aos esforços dos engenheiros, há uma grande chance de que uma ou ambas as Voyagers continuem operacionais até o 50º aniversário do lançamento da missão em 2027.

Uma justa homenagem aos que projetaram a espaçonave e ao primeiro cientista de projeto da missão, Ed Stone, falecido recentemente aos 88 anos.

Um retorno digno de filme

[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

Sonda Voyager 1 ressuscita e retoma operações científicas após problemas técnicos

A épica saga da Voyager 1, a espaçonave mais distante já construída pela humanidade, ganha um novo capítulo com sua notável recuperação após um problema técnico que a silenciou por meses. A resiliência da sonda e a engenhosidade da equipe da NASA são motivos de comemoração, demonstrando a capacidade humana de superar desafios e alcançar feitos extraordinários mesmo nas fronteiras do universo.

O retorno das operações científicas da Voyager 1 nos presenteia com dados valiosos sobre o espaço interestarel, expandindo nosso conhecimento sobre o cosmos e alimentando nossa curiosidade sobre o que existe além da Terra. A sonda, mesmo em seus anos de ouro, continua a nos inspirar e a nos lembrar do poder da exploração espacial para unir a humanidade em busca de um futuro mais rico em conhecimento.

Embora o futuro da Voyager 1 e da Voyager 2 (sua irmã gêmea) seja incerto devido à degradação das fontes de energia, as duas sondas já deixaram um legado inigualável. Elas abriram caminho para novas missões espaciais, inspiraram gerações de cientistas e engenheiros e nos ensinaram sobre a vastidão e a beleza do universo. A jornada das Voyagers é um testamento à perseverança humana e à nossa busca incessante por desvendar os mistérios do cosmos.

Um criador de conteúdo e entusiasta de jogos e tecnologia, trabalha como redator, analista de TI e game designer no tempo livre.