Yoga: Estudo mostra como a prática ajuda na reabilitação do AVC

O AVC pode gerar diversas sequelas que precisam de um longo processo de reabilitação para serem amenizadas, durante esse processo o Yoga é um grande aliado, afirma o criador do Método Kaiut Yoga, Francisco Kaiut

Fonte:

Yoga I Via Freepik

De acordo com o Portal da Transparência do Registro Civil, mantido pela ARPEN Brasil (Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais), o Acidente Vascular Cerebral (AVC) matou mais de 77 mil pessoas no Brasil apenas em 2023.

O AVC é causado pela interrupção do fluxo sanguíneo ao cérebro, danificando as células cerebrais. Pode ser isquêmico, devido a um bloqueio, ou hemorrágico, devido à ruptura de um vaso sanguíneo, em ambos os casos ele requer atendimento médico imediato para minimizar danos.

Esse processo de reabilitação envolve uma combinação de técnicas, como reabilitação motora, terapia psicológica, fonoaudiologia, terapia ocupacional, entre outros. No entanto, o novo estudo “A Yoga na Reabilitação do AVC”, publicado na revista científica Vitalia pelo naturopata e criador do Método Kaiut Yoga, Francisco Kaiut, em parceria com o naturopata e mestrando em neurociências, Ravi Kaiut e o Pós PhD em neurociências, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, aponta o Yoga como um importante aliado na redução de danos do AVC.

[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

“[…] A prática de Yoga pode ser uma grande aliada na reabilitação de indivíduos que sofreram AVC. Além da redução de fatores de risco e de colaborar com a prevenção da doença, o yoga pode também atuar na recuperação das funções físicas e cognitivas desses pacientes. Especialmente quando trabalhada de forma conjunta com os avanços da neurociência, como é o caso do NeuroYoga”, afirma o artigo.

Sequelas mais comuns do AVC

Após um AVC o paciente pode sofrer com diversas sequelas que precisam de tratamento imediato para serem, pelo menos, minimizadas. Os efeitos mais comuns são dificuldades motoras, como paralisia ou fraqueza em um lado do corpo, problemas de fala e linguagem (afasia), dificuldades cognitivas, como perda de memória e problemas de concentração, e alterações emocionais, como depressão e ansiedade.

Mas o problema também pode incluir dor crônica, espasticidade muscular e dificuldades de deglutição.

Efeitos do Yoga na reabilitação do AVC

De acordo com Francisco Kaiut, a prática de Yoga é uma técnica complementar que ajuda não só na reabilitação física após um AVC, mas também a controlar impactos na saúde mental, como depressão e ansiedade.

O yoga é uma prática complementar muito eficaz na reabilitação de pacientes que sofreram AVC, mas ao contrário do que muitos acreditam, ela não beneficia apenas a mobilidade física, coordenação e capacidade muscular”.

A prática também têm efeitos comprovados na redução do estresse, ansiedade e depressão, estimulação cognitiva e promoção da independência e autoestima. Uma grande vantagem do yoga é sua capacidade de adaptação às necessidades individuais de cada pessoa, tornando-o específico e acessível”.

Outro ponto importante é que o Yoga pode ser combinado com conhecimentos científicos da área de neurociência, como no caso do NeuroYoga”, explica Francisco Kaiut.

O que é o NeuroYoga?

[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

O NeuroYoga foi desenvolvido há cerca de dois anos pelo Instituto Brasileiro Kaiut Yoga, que também criou o Método Kaiut Yoga, sendo pioneiro no Brasil ao integrar princípios da neurociência ao Yoga.

Considerando que o cérebro é o órgão que controla quase todos os processos do corpo humano, compreender seus processos ajuda a ter uma melhor aplicação das técnicas milenares do Yoga para equilibrar tanto o corpo quanto a mente.

Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues, Colunista do Cenário MT é um Pós-doutor e PhD em neurociências eleito membro da Sigma Xi, The Scientific Research Honor Society e Membro da Society for Neuroscience (USA) e da APA - American Philosophical Association, Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), Cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler, Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Membro ativo da Redilat, membro-sócio da APBE - Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva e da SPCE - Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Membro Mensa, Intertel e Triple Nine Society, sociedades de pessoas com alto QI.