Homem leva cobra ao hospital após ser picado; vídeo

Fonte: CenarioMT

homem picado por cobra no hrg 29122021133110388

Um homem levou uma cobra ao hospital após ser picado. O objetivo do homem foi facilitar a identificação da espécie da cobra e assim, receber o soro adequado.

O momento foi registrado por pessoas que acompanhavam a vítima, e o vídeo viralizou nas redes sociais. A situação aconteceu na última segunda-feira (27) no Hospital Regional do Gama, no Distrito Federal – DF.

A cobra estava com a cabeça decepada e foi levada pelos populares ao hospital em um saco plástico.

Houve confusão na entrada da unidade hospitalar. Alega-se que houve agressão aos acompanhantes, que tentavam fazer com que a vítima fosse atendida.

[Continua depois da Publicidade]

O vídeo chegou ao conhecimento do Biólogo Henrique – O Biólogo das Cobras.

O Biólogo Henrique Abrahão explicou como as pessoas devem proceder quando acontecem acidentes envolvendo cobras.

ASSISTA:

YouTube video

As Cobras

As Cobras são alongadas, sem membros, ou seja, sem patas. São répteis carnívoros da subordem Girard. Como todos os outros squamates, cobras são ectothermic, amniote vertebrados cobertos em sobreposição escalas.

Muitas espécies de cobras têm crânios com várias articulações a mais do que seus ancestrais lagartos, permitindo-lhes engolir presas muito maiores do que suas cabeças com suas mandíbulas altamente móveis.

Para acomodar seus corpos estreitos, os pares de órgãos das cobras (como os rins) aparecem um na frente do outro, em vez de lado a lado, e a maioria tem apenas um pulmão funcional.

Algumas espécies retêm uma cintura pélvica com um par de garras vestigiais de cada lado da cloaca. Lagartos desenvolveram corpos alongados sem membros ou com membros bastante reduzidos cerca de vinte e cinco vezes de forma independente por meio da evolução convergente, levando a muitas linhagens de lagartos sem pernas.

Eles se assemelham a cobras, mas vários grupos comuns de lagartos sem pernas têm pálpebras e orelhas externas, o que as cobras não têm, embora esta regra não seja universal.

Cobras vivas são encontradas em todos os continentes, exceto na Antártica, e na maioria das massas de terra menores; as exceções incluem algumas ilhas grandes, como Irlanda, Islândia, Groenlândia, o arquipélago havaiano e as ilhas da Nova Zelândia, bem como muitas pequenas ilhas dos oceanos Atlântico e Pacífico central.

[Continua depois da Publicidade]

Além disso, as cobras do mar são comuns nos oceanos Índico e Pacífico. Mais de vinte famílias são atualmente reconhecidas, compreendendo cerca de 520 gêneros e cerca de 3.900 espécies.

afinal qual e a cobra mais venenosa do mundo e do brasil 7 1024x576 1
Cobra mais venenosa do mundo pode matar até 100 homens. Foto: InfoEscola

Eles variam em tamanho desde a minúscula cobra de fios de Barbados com 10,4 cm de comprimento até a píton reticuladade 6,95 metros de comprimento.

A espécie fóssil Titanoboa cerrejonensis tinha 12,8 metros de comprimento. Acredita-se que as cobras tenham evoluído de lagartos escavadores ou aquáticos, talvez durante o período jurássico, com os primeiros fósseis conhecidos datando de 143 a 167 milhões de anos atrás.

A diversidade de cobras modernas apareceu durante a época do Paleoceno (c. 66 a 56 Ma atrás, após o evento de extinção do Cretáceo-Paleógeno). As mais antigas descrições de cobras preservadas podem ser encontradas no Papiro do Brooklyn .

A maioria das espécies de cobra não é venenosa e aquelas que possuem veneno o usam principalmente para matar e subjugar a presa, e não para autodefesa.

Alguns possuem um veneno potente o suficiente para causar ferimentos dolorosos ou a morte de humanos. As cobras não venenosas engolem a presa viva ou matam por constrição, como é caso da sucuri, por exemplo.

cobra 696x592 1

Se você gostou deste post: Jacaré é filmado por banhistas em praia; vai gostar também de ler esta notícia: Flagrante de capivara dando ‘rolê na praia; assista 

Siga-nos no Facebook Twitter para se manter informado com as notícias de hoje!

Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do CenárioMT produzindo conteúdo sobre a região norte de Mato Grosso.