Mato Grosso registra mais de 700 acidentes com cobras em 2020

Fonte: G1 MT e TV Centro América

1 109
Foto: Ignácio Coella

Um total de 748 acidentes com serpentes foram registrados desde janeiro em Mato Grosso. Conforme dados da Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual de Saúde (SES), de janeiro a dezembro do ano passado, houve 1.418 acidentes com cobras.

Recentemente, foram registrados dois ataques de jararacas envolvendo o funcionário de uma fazenda, de 29 anos, em Denise, e uma médica, em Nobres.

Giovani Lima Corrêa ficou internado por três dias no Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) e morreu na segunda-feira (31), depois de sofrer uma parada cardiorrespiratória. Ele foi picado quando estava trabalhando.

Ele foi socorrido pelos próprios funcionários da fazenda e encaminhado a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade. Após receber os primeiros socorros, o paciente foi transferido para o Hospital Municipal de Cuiabá, que fica a mais de 200 km de Denise, pois não tinha soro antiofídico na região.

Biólogo afirma que jararacas não costumam ficar na água e só atacam para se defender; saiba o que fazer se for picado

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Já a médica Dieynne Saugo está internada desde domingo (31) após ter sido picada por uma cobra jararaca durante um banho na Cachoeira Serra Azul, em Nobres. A cobra despencou com a queda d’água da cachoeira e atingiu a médica que estava logo abaixo. Ela esperou duas horas por atendimento adequado, porque não tinha soro antiofídico nas pousadas e resorts da região.

Assim como em Denise e Nobres, falta soro antiofídico em muitos municípios do estado.

O soro é produzido a partir do veneno retirado da própria serpente. Por isso é importante saber qual a espécie picou a pessoa.

A guia de turismo Marilene Barbosa aconselha que o turista, como foi o caso de Dieynne, comunique o guia para pedir socorro o mais rápido possível.

“NAS CACHOEIRAS E OUTROS LUGARES QUE A GENTE ESTÁ GUIANDO, ESTAMOS SEMPRE COM RÁDIO COMUNICADOR PORQUE SE ACONTECE ALGUM TIPO DESSE FATO OU ATÉ MESMO A PESSOA PASSAR MAL, A GENTE TENTA PEGAR UM SINAL DE CELULAR OU FALAR PELO RÁDIO E PEDIR SOCORRO MAIS RÁPIDO”, AFIRMA.

O Centro de Informação Antiveneno de Cuiabá funciona no Hospital Municipal. Atendeu de janeiro a agosto 137 pessoas que foram vítimas de ataques de serpentes.

Desse total, 90% dos casos são de pessoas que foram picadas por jararacas. A pessoa picada por cobra precisa ser levada para o hospital o quanto antes. A demora no atendimento pode resultar em sequelas e até causar a morte.

O coordenador do Centro de Informação Antiveneno, José Antônio Figueiredo, conta que alguns lugares não têm infraestrutura para ajudar pacientes vítimas de picada.

“TEMOS HOJE EM TORNO DE UMAS 25 A 30 AMPOLAS, MAS GERALMENTE NA QUINTA E NA SEXTA A GENTE FAZ UMA SOLICITAÇÃO DE REPOSIÇÃO. ESSA DISTRIBUIÇÃO É FEITA COM UMA LOGÍSTICA QUE NÃO TEM COMO TODOS OS MUNICÍPIOS TEREM O SORO. ATÉ MESMO PORQUE A NECESSIDADE DE SE TER LOCAIS COM APARATO PARA QUE SE POSSA SER FEITO O SORO E A GENTE SABE QUE EM ALGUNS MUNICÍPIOS, POR MAIS QUE TENHAM O SERVIÇO DE SAÚDE, NÃO TEM UMA INFRAESTRUTURA PARA ATENDER, POR EXEMPLO, UM PACIENTE QUE NECESSITE DE INTUBAÇÃO OU DE UMA UTI”, AFIRMA.

A vítima de picada de cobra precisa ser levada para o hospital com rapidez. A demora no atendimento pode resultar em sequelas e até causar levar à morte.

O médico Waldirson Coelho aconselha a fotografar o animal e, se estiver morto, até mesmo levá-lo junto com o paciente para fazer a identificação e aplicar o soro adequado.

“CADA TIPO DE COBRA CAUSA UM EFEITO NO CORPO DA PESSOA E É PRECISO UM TIPO ESPECÍFICO DE SORO. ENTÃO É IMPORTANTE QUE O ANIMAL SEJA IDENTIFICADO. ISSO ACELERA O ATENDIMENTO E ACELERA A RECUPERAÇÃO DO PACIENTE QUE É MUITO IMPORTANTE”, AFIRMA.

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-MT) disse que apenas os hospitais podem aplicar soros antiofídicos porque o tratamento precisa de acompanhamento médico.

Já o Ministério da Saúde informa que, por causa da deficiência da produção dos soros, o próprio órgão que é responsável pela própria distribuição do medicamento, tem enviado uma quantidade bem restrita de acordo com as ocorrências e locais dos tratamentos dos pacientes.

Quanto ao caso da médica que foi picada quando estava na cachoeira, a secretaria de Saúde de Nobres, disse que tem o soro, mas que a equipe do local onde fica a cachoeira tem o próprio protocolo de atendimento.