Pesquisa aborda percepção da violência contra a mulher em Lucas do Rio Verde

Fonte: CenárioMT

Violência Doméstica
Violência Doméstica - Fotos do Canva

O Unilasalle de Lucas do Rio Verde divulgou na última semana os resultados de uma pesquisa sobre a “Percepção da Violência contra a Mulher em Lucas do Rio Verde”. O levantamento oferece uma visão detalhada sobre como os acadêmicos dos cursos de graduação do Unilasalle/Lucas e os moradores locais percebem a violência contra a mulher.

Este projeto teve início em 2021, quando o Núcleo de Pesquisa e Pós-graduação do Unilasalle submeteu ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE) uma proposta de pesquisa dentro da linha de estudo “Identidade e Linguagens na Educação”.

Formado por membros da reitoria, docentes e acadêmicos bolsistas do Programa de Iniciação Científica, o grupo de pesquisa dedicou-se a discutir, refletir e realizar ações coordenadas sobre a temática da violência contra a mulher no município de Lucas do Rio Verde.

A primeira fase da pesquisa, conduzida em 2021, foi aplicada em locais de grande circulação, como supermercados e empresas, com o objetivo de captar a percepção dos moradores sobre o fenômeno da violência. A pesquisa contou com 246 respondentes, dos quais 91,1% reconheceram a existência de violência contra a mulher na cidade, e 63,4% afirmaram ter presenciado alguma situação de violência.

A nova fase da pesquisa, intitulada “Identificando a Percepção da Violência contra a Mulher”, visou explorar como os acadêmicos dos cursos do Unilasalle Lucas percebem a violência contra a mulher na cidade de Lucas do Rio Verde.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Entre os objetivos da pesquisa, destacam-se a identificação de como os acadêmicos entendem o fenômeno da violência contra a mulher na região, os fatores apontados para explicá-lo, e a correlação de fatores biológicos, econômicos, sociais, ambientais e afetivos com o fenômeno.

Além disso, a pesquisa buscou avaliar a influência da pandemia de Covid-19 na violência contra a mulher e comparar as percepções atuais com os dados coletados em 2022, incluindo uma análise interinstitucional.

Segundo a instituição de ensino, os resultados desta pesquisa são fundamentais para entender as dinâmicas da violência contra a mulher em Lucas do Rio Verde e para desenvolver estratégias eficazes de prevenção e combate a essa problemática social. A divulgação desses dados visa não apenas informar a comunidade acadêmica e a população local, mas também fomentar um debate mais amplo e aprofundado sobre as raízes e as possíveis soluções para a violência contra a mulher na região.

Números

O primeiro levantamento, feito em 2021, e aplicado em locais de grande circulação como supermercados e empresas, teve como objetivo identificar a percepção dos munícipes sobre o fenômeno da violência. Esta pesquisa contou com 246 respondentes, dos quais 91,1% afirmaram existir violência contra a mulher em Lucas do Rio Verde, e 63,4% relataram ter presenciado alguma situação de violência contra a mulher.

As maiores incidências de ações de violência presenciadas foram humilhações/xingamentos (48,0%), violência moral (47,6%) e violência física (45,9%). Destaca-se que 5,7% dos respondentes afirmaram ter presenciado feminicídio. Os índices relativos aos “padrões culturais machistas” (44,1%) foram significativos, seguidos pelo “abuso de bebidas alcoólicas” (23,2%) e “causas culturais de desigualdade de tratamento social da mulher” (8,5%).

Já em 2022, o grupo de pesquisa realizou uma nova etapa, culminando em novembro com a aplicação de um formulário Google Forms direcionado à comunidade acadêmica do Unilasalle, visando conhecer a percepção sobre o fenômeno. Participaram 300 acadêmicos, dos quais 283 afirmaram existir violência contra a mulher em Lucas do Rio Verde e região, e 191 já presenciaram algum tipo de violência, sendo as mais recorrentes a violência moral (152 casos), psicológica e humilhação/xingamento (130 casos).

Diante dos dados identificados nas duas pesquisas, o grupo de pesquisa percebeu a necessidade de uma nova etapa para atualizar a percepção sobre a violência contra a mulher, considerando os impactos biopsicossociais da pandemia. Em 2020, ano do decreto da pandemia, o estado registrou índices significativos de violência contra a mulher. Em 2021, houve uma redução nos registros, com a lesão corporal diminuindo em mais de 11% e mantendo uma queda de 7% em 2021, segundo dados da Diretoria de Inteligência da Polícia Civil do Estado de Mato Grosso.

Em Lucas do Rio Verde, o Núcleo de Atendimento à Criança, Adolescente, Idoso e Mulher foi inaugurado em setembro de 2021, atendendo demandas de violência de gênero pela Delegacia Geral. Assim, não foram apresentados dados específicos de registros de violência contra a mulher em Lucas, mas sim dados gerais do estado.

Terceira etapa

A coleta de dados ocorreu entre 22 e 24 de abril de 2024, utilizando um questionário estruturado disponibilizado via Google Forms, acessível por QR Code. Toda a comunidade acadêmica foi convidada a participar. Dos 1.423 convidados, 592 responderam ao questionário.

Os resultados indicaram que, mesmo com as medidas de combate à violência, a violência contra a mulher ainda é uma realidade presente. Fatores como padrões culturais machistas, abuso de bebidas alcoólicas e desigualdade de tratamento social são apontados como causadores da violência. A pandemia por Covid-19 contribuiu significativamente para o aumento dos casos, aproximando vítimas e agressores devido ao distanciamento social.

Os números e a pesquisa detalhada podem sem obtidos no site do Unilasalle de Lucas do Rio Verde.

É formado em Jornalismo. Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do CenárioMT produzindo conteúdo sobre política, economia e esporte regional.