“É o pedaço mais preservado do mundo”, afirma cineasta sobre parque de Mato Grosso com maior concentração de onças

Lawrence Wahba, que produz documentário no Pantanal com apoio do Estado, avalia que só tem onças em locais onde a natureza é preservada

Fonte: Débora Siqueira | Sedec

Mayke Toscano/Secom-MT
Mayke Toscano/Secom-MT

A concentração de onças-pintadas no Parque Estadual Encontro das Águas, administrado pelo Governo de Mato Grosso, demonstra o quanto esse refúgio no Pantanal mato-grossense tem a natureza conservada. Portando, segundo o cineasta e documentarista, Lawrence Wahba, a área pode ser considerada a mais preservada do mundo.

“A onça é o que nós chamamos de espécie bandeira. Ela é um indicador de qualidade ambiental. Só tem onça em lugar onde a natureza é equilibrada. Como a gente está no pedaço do Pantanal com mais onças no mundo, eu posso afirmar que é o pedaço mais preservado do mundo e que bom que o Governo do Estado está vindo junto com a gente para cuidar desse patrimônio tão importante da humanidade”, disse durante a assinatura do termo de parceria entre o Estado e as produtoras que rodam o filme Duas Irmãs – A Marcha das Onças-pintadas, nessa segunda-feira (25.09).

Com o apoio do Estado, que vai aportar R$ 3,5 milhões no documentário, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), nos próximos meses, eles devem concluir o filme mais completo da história falando sobre o maior felino das Américas e como Estado que mais produz, também preserva essa porção do planeta.

“A onça para os povos nativos da América Latina, para os indígenas, é um animal sagrado. Mas, para nós, que gostamos de meio ambiente e ecologia, ela também é um animal sagrado. Não pelo ponto de vista esotérico, metafísico, mas pelo ponto de vista científico porque a onça-pintada é um predador de topo, para ela ocorrer em algum lugar, ela precisa que todos os elos da cadeia alimentar estejam saudáveis. O rio vai ter que estar limpo para que o jacaré come, para ela poder comer o jacaré. A vegetação tem que ter saudável para a capivara comer a vegetação, para a onça comer a capivara”, enfatizou o cineasta.e o pedaco mais preservado do mundo afirma cineasta sobre parque estadual com maior concentracao de oncas interna 1 2023 09 26 716877772Ele também destacou que, de 1999 até 2010, ele sempre foi até o Mato Grosso do Sul, no Rio Aquidauana, em busca de filmar a onça-pintada. Em 12 anos trabalhando em Mato Grosso do Sul, ele conseguiu mais ou menos 20 minutos de imagem de onça-pintada. Ainda em 2010, ele chegou ao Distrito de Porto Jofre, em Poconé para filmar uma onça por uma reportagem para o Domingão do Faustão.

[Continua depois da Publicidade]

“Quando deu a hora do almoço, por volta de 13h30 da tarde, eu saí com o piloteiro e às 18h estava de volta nesse hotel, com 4 horas de imagens, mais do que consegui em 12 anos no Mato Grosso do Sul. De lá para cá, esta é minha 39ª visita aqui. Já fiz filmes para a TV japonesa, com o Museu Smithsonian, o maior museu do mundo, filmes para a National Geographic, que passaram 160 países, mas sempre filmes de televisão”.

Estado que mais preserva

Produzido e filmado por Lawrence Wahba e Mike Bueno, o filme tem a contribuição do cineasta francês Emmanuel Priol, responsável pelo roteiro e supervisão editorial do material. Ele é vencedor de um Oscar de Melhor Documentário, a Marcha dos Pinguins, em 2006, e busca mais uma estatueta com o documentário que conta a história das onças Jaju e Âmbar.

O documentário sobre as onças do Pantanal mato-grossense deve ser concluído em 2024.

[Patrocinado]

As filmagens já estão em andamento há três anos e foram cerca de 20 viagens até a Porto Jofre. Eles esperam concorrer e ganhar um novo Oscar com essa parceria franco-brasileira.

e o pedaco mais preservado do mundo afirma cineasta sobre parque estadual com maior concentracao de oncas interna 2 2023 09 26 103750431

Durante a visita do governador Mauro Mendes até o Parque Estadual com os cineastas Emmanuel Priol, Lawrence Wahba e Mike Bueno, ele presenciou a onça-pintada caçando e se alimentando de um jacaré.

“Quando nós nos aproximamos, ela iniciou o processo de caça. Depois de alguns minutos andando na margem do rio, circulando ali, ela identificou uma presa, um jacaré, o abateu e o arrastou do rio. É um espetáculo da natureza e o que nós queremos mostrar é esse espetáculo do Pantanal através desse filme que o governo de Mato Grosso está apoiando. Mostrar todas as nossas potencialidades turísticas. O Pantanal é um dos grandes patrimônios que nós temos. Nós vamos iniciar um processo forte de investimento que já está acontecendo e de divulgação dos potenciais turísticos de Mato Grosso ativando essa importante cadeia do turismo ecológico no nosso estado”, explicou.

Ele destacou que o filme poderá mostrar ainda como o estado tem trabalhado para conservar a natureza, não apenas o Pantanal.

“Construir uma imagem é um trabalho difícil. Uma imagem positiva se constrói primeiro com verdades, se constrói com atitudes corretas, sérias, e ao longo do tempo você vai formando uma imagem positiva. Infelizmente, as imagens negativas elas circulam mais rapidamente. Quando o Pantanal pegou fogo vieram todos mostrar e agora que se recuperou com a força da natureza, tem que fazer esforço para ser mostrado. Esse filme será oportunidade de mostrar isso para que o mundo conheça a verdade, e o que somos o maior produtor de alimentos e que preserva o meio ambiente”, concluiu.

[Continua depois da Publicidade]
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso. Já trabalhou em Rádio Jornal (site e redação).