Aumento nos casos de estupro em Mato Grosso: Necessidade de combate e amparo às vítimas

Fonte: CENÁRIOMT

Policia Militar flagra estupro de vitima e prende criminoso em flagrante
ESTUPRO

Recentes dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SESP) revelam uma preocupante elevação de 16% nos casos de estupro em Mato Grosso. No período de janeiro a outubro de 2023, foram registrados 1.870 casos, um aumento de 258 em relação ao mesmo intervalo em 2022, quando o estado contabilizou 1.612 casos dessa natureza.

Rondonópolis, situado a 218 km de Cuiabá, destacou-se como o município com o maior incremento na taxa, apresentando 85 casos de estupro em 2022 e 91 casos até outubro deste ano, correspondendo a um aumento de 7%.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), por meio do Atlas da Violência, ressalta que apenas 10% dos casos de estupro são oficialmente reportados, muitas vezes devido ao medo que impede as vítimas de procurarem delegacias ou Unidades de Pronto Atendimento (UPA). O delegado Fernando Fleury destaca a importância de denunciar todo tipo de violência para fornecer informações precisas às instituições públicas.

 

[Continua depois da Publicidade]

“Essa comunicação auxilia muito as chances de identificar autoria em relação a esse tipo de crime”, afirma Fleury.

 

Além da denúncia, é crucial que as vítimas busquem unidades de saúde. A conselheira municipal Jacilene Terra ressalta que a violência sexual pode resultar em problemas de saúde física e fisiológica.

 

“Geralmente são traumas que podem levar até a morte; a vítima entra em um processo depressivo, acha que não tem ninguém para te ajudar, para te acompanhar, mas existe sim”, destaca Jacilene. Ela ainda explica os procedimentos adotados após a denúncia.

 

“Nós vamos acolhê-la, orientar, e ela vai, em primeiro momento, à Delegacia da Mulher. Quando a delegacia colher os dados e fazer o boletim de ocorrência dessa vítima, nós vamos ver para onde ela precisa ir”, completa.

 

A orientação para mulheres vítimas de violência doméstica é buscar ajuda imediata. No momento da agressão, discar 190 para chamar a Polícia Militar, registrar boletim de ocorrência na Polícia Civil e, posteriormente, solicitar apoio a alguma instituição. O combate efetivo e o apoio às vítimas tornam-se essenciais diante desse cenário alarmante.

Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso. Já trabalhou em Rádio Jornal (site e redação).