Neurofeedback: Aprenda a usar seu cérebro e alcance a alta performance

Técnica ajuda a visualizar comportamento do cérebro e alterá-lo

Fonte:

Neurofeedback

Neurofeedback

Você tem controle sobre o seu cérebro? Sabemos que através de processos de reformulação, como a neuroplasticidade, nosso cérebro consegue se adaptar e sofrer alterações, mas existe uma técnica que ajuda a realizá-las de forma consciente, o neurofeedback.

O neurofeedback é realizado através do uso de um eletroencefalograma para medir as ondas cerebrais do paciente e exibi-las em uma tela, a partir daí inicia-se uma série de adaptações em relação ao comportamento e sentimentos com  o objetivo de alterar visualmente as ondas, auxiliando tanto o paciente a identificar ações potencialmente maléficas, quanto ao especialista moldar uma estratégia mais apropriada.

[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

O procedimento tem como objetivo ajudar o paciente a ter maior controle sobre a ação autorregulatória no cérebro, o que, além de ajudar no tratamento de condições neurológicas, também permite moldar seu cérebro para a alta performance, como explica o Pós PhD em neurociências, Dr. Fabiano de Abreu Agrela em seu artigo  “Neuroperformance: Segredos das habilidades atléticas”, publicado pela RECISATEC.

Com os insights obtidos pelo EEG [Eletroencefalograma} é possível saber quais áreas são ativadas com maior frequência por determinados estímulos e sugerir treinamentos específicos para modificar estes padrões e a estrutura cerebral, usando o conceito de neuroplasticidade. Pode-se usar técnicas como a visualização, treinamentos físicos específicos, meditação e outros artifícios para chegar ao resultado”.

Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues, Colunista do Cenário MT é um Pós-doutor e PhD em neurociências eleito membro da Sigma Xi, The Scientific Research Honor Society e Membro da Society for Neuroscience (USA) e da APA - American Philosophical Association, Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), Cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler, Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Membro ativo da Redilat, membro-sócio da APBE - Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva e da SPCE - Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Membro Mensa, Intertel e Triple Nine Society, sociedades de pessoas com alto QI.