Nelson Barbudo (PL) assumirá vaga de deputado federal após morte de Amália Barros

Amália morreu aos 39 anos, no Hospital Vila Nova Star, em SP, onde estava internada desde 1º de maio

Fonte: DA REDAÇÃO

Nelson Barbudo
Foto: Facebook/ Reprodução

A Câmara Federal se prepara para uma mudança significativa nos próximos dias, com a entrada de Nelson Barbudo (PL) para ocupar a vaga deixada pela lamentável morte da deputada Amália Barros. A confirmação do falecimento da parlamentar, integrante da bancada do PL, ocorreu na madrugada deste domingo (12).

Nelson Barbudo já tem experiência como deputado federal. Em 2018, ele se destacou como o candidato mais votado em Mato Grosso, impulsionado pela popularidade do então presidente Jair Bolsonaro (PL). No entanto, em 2022, obteve apenas a primeira suplência. Seu apoio eleitoral diminuiu consideravelmente, de 126.249 votos para 53.285 votos, uma redução de quase 58%. Agora, assume quase três anos de mandato na Câmara Federal.

A morte prematura de Amália Barros, aos 39 anos, ocorreu no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde estava internada desde o dia 1º de maio para a remoção de um nódulo no pâncreas. Após sete cirurgias, enfrentou complicações no fígado, o que a levou a uma nova intervenção no sábado (11). Infelizmente, não resistiu e veio a óbito na madrugada de domingo.

Amália, formada em jornalismo, perdeu a visão do olho esquerdo devido a uma infecção por toxoplasmose aos 20 anos. Após 15 cirurgias, em 2016, optou pela remoção do olho, passando a utilizar uma prótese ocular. Defendendo os direitos dos monoculares, ela se destacou na política, aproximando-se da primeira-dama Michelle Bolsonaro e sendo eleita deputada federal por Mato Grosso com mais de 70 mil votos. Na Câmara, atuou em comissões como a de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, dos Direitos da Mulher e da Educação, entre outras.

[Continua depois da Publicidade]

Amália Barros deixa como legado sua luta pelos direitos das pessoas com deficiência e seu comprometimento com a política. Casada com o pecuarista Thiago Boava, de Campo Novo do Parecis, informações sobre velório e sepultamento ainda não foram divulgadas.