Lucas do Rio Verde: VI para Executivo tem pedido de vista e Presidente pede para Mano mandar embora seu assessor

0

Com praticamente as mesmas “caras” de sempre, o Plenário da Câmara Municipal não consegue atrair os luverdenses para a Casa de Leis. Uma legislatura com poucos projetos para a população e com muitas polêmicas, seja elas por “oposição/situação” ou puramente por “politicagem”, onde claramente ao se ouvir os nobres edis, percebemos a falta de respeito e companheirismo entre eles.

Em mais uma sessão realizada na noite de ontem (12), o projeto que institui a verba indenizatória no Poder Executivo estava em pauta e o “Bate Boca” e a “Politicagem” entrou em cena novamente. Depois de alguns embates, o Projeto foi retirado da pauta de votação a pedido do vereador Dr.Jaime Borges, que solicitou pedido de vista para discutir melhor.

Para não perder o costume, o vereador “MANO” usou a tribuna para criticar o Prefeito,  dizendo ser contra a Verba indenizatória, disse ainda que tentou quando Presidente da Câmara acabar com a Verba Indenizatória dos Vereadores, porém, como estava “bem amarrada”, sozinho ele não foi capaz. “Quando eleito Presidente eu tentei também conduzir para rediscutir os assessores. Fiquei dois anos e dois meses sem ter assessor, eu precisava dar bom exemplo. Devolvi ao Poder Executivo mais de R$ 60 mil“. Disse ele finalizando sua fala lendo o juramento que fez na posse.

Não conformado com o que disse Mano, a vereadora Cristiani Dias chamou ele de hipócrita. “Não tinha assessor mas tinha a casa inteira trabalhando em função, realmente não teve assessor, ai no momento em que precisou fazer o primeiro ofício contratou assessor. Me desculpem, mas não consigo levar desaforo para casa. Não suporto esse tipo de demagogia. Estou dizendo o que precisa ser dito, a população precisa enxergar um pouco mais do que só falácias. Ele fala dos colegas vereadores, mas na hora de abrir mão do que é financeiro ele não abre mão de nada” finalizou a vereadora.

Dr. Jaime, usou a tribuna falando em educação, do respeito que é necessário ter um com o outro. “Eu sou vereador, não sou político profissional, e é claro o meu respeito que tenho por essa turma que está aqui”. Jaime elogiou a função dos assessores, da importância que eles tem: “É fácil falar “é o dinheiro do povo”, “Eu economizei”, muito fácil dizer isso quando se usa toda a máquina, o carro da Câmara, o fotógrafo, o jornalista, o motorista. Eu nunca usei diária da Câmara, tem a verba para usar, é com ela que eu gasto. Vamos ser coerentes“. 

O Presidente da Câmara, que não usou a tribuna, não mediu suas palavras e foi direto ao ponto. “Vereador Mano, eu fiquei muito chateado na sua fala de hoje, sem enfrentar o senhor, eu gostaria que amanhã o senhor pudesse mandar embora seu assessor, pois antes não concordava e agora concorda. Já que acha que assessor não serve, dispensa o seu e toca sozinho”.



O projeto que teve o pedido de vista aprovado prevê o pagamento de valores diferenciados, sendo de R$ 8.000,00 para Prefeito, R$ 4.000,00 para Vice-Prefeito e R$ 6.000,00 para Secretários, Procurador Geral, Diretor de Desenvolvimento Humano, Diretor de Desenvolvimento Sustentável e Diretor Executivo do SAAE e se dá em compensação ao uso de pertences particulares como veículo, combustível, telefonia e internet móvel.

Os Vereadores tem 15 dias para analisar o projeto e colocar de volta em pauta para votação