Uniformes de times de futebol falsificados que estavam à venda são apreendidos durante operação em Cuiabá

0
Foto: Polícia Civil-MT/ Divulgação

A polícia fez uma operação nesta quinta-feira (11), no Shopping Popular, na região central, e em uma loja no Bairro CPA II, em Cuiabá, e apreendeu 428 camisetas, bermudas e calças de times de futebol falsificados. As mercadorias foram apreendidas por agentes da Delegacia Especializada do Consumidor e o Procon de Cuiabá.

Entre os alvos da sexta fase da Operação Fictus estão duas bancas no Shopping Popular. Em uma delas foram apreendidas camisetas do Cuiabá Esporte Clube e camisetas de marcas de artigos esportivos conhecidas.

O vendedor da banca informou não saber da procedência da mercadoria comercializada, no entanto, disse ter conhecimento de se tratar de produtos de “segunda linha”. O proprietário da loja não estava no local e deverá responder por delitos na Delegacia do Consumidor.

Em outra banca, a responsável alegou que os produtos vendidos em sua loja são adquiridos em São Paulo e que às vezes compra de fornecedores que passam pelo local, sem nota fiscal. Ela disse ter conhecimento de que as mercadorias são de “segunda linha”.

No interrogatório, ela confessou que compra por R$ 20 cada camiseta e revende por R$ 30 a R$ 40 reais, e que sabe que o comércio de réplicas é ilegal.

Em nota, a administração do Shopping Popular informou que, conforme o estatuto da associação em seu artigo 14, é expressamente proibida a comercialização de produtos em desacordo com os termos do Código de Defesa do Consumidor e que busca colaborar com as autoridades.

Abaixo a nota na íntegra:

Diante das recentes notícias veiculadas a respeito da sexta fase da Operação Fictus, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil do Estado de Mato Grosso, a administração do Shopping Popular vem a público esclarecer que:

– Conforme o estatuto da associação em seu artigo 14, é expressamente proibida a comercialização de produtos em desacordo com os termos do Código de Defesa do Consumidor;

– No entanto, o estatuto não garante à administração o poder necessário para apreender produtos nestas condições, qualificação existente às autoridades competentes;

– Foi o que ocorreu neste caso, quando a Polícia Civil identificou duas lojas que supostamente vendiam produtos em desacordo com a legislação vigente e, investida deste poder, apreendeu o material supostamente irregular;

– A administração do Shopping Popular em Cuiabá reitera seu espírito colaborativo com as autoridades e reforça seu compromisso em oferecer os melhores serviços e produtos à população.