A jovem que teria sido morta pelos sogros na quarta-feira (3) em Primavera do Leste, a 239 km de Cuiabá, foi esfaqueada mais de 30 vezes e asfixiada com um travesseiro.

Segundo a Polícia Civil, Thais Mara dos Santos Gomes, de 23 anos, foi encontrada sem vida com uma faca cravada no braço. A filha dela, de 4 meses, estava viva ao lado do corpo da mãe.

Os sogros foram presos na quinta-feira (4) suspeitos do assassinato. A polícia diz que a sogra da vítima, de 50 anos, e o sogro de Thais, são os principais suspeitos do crime. Eles negaram envolvimento.

A sogra é apontada pela polícia como a responsável por planejar o crime. O sogro é quem teria executado o homicídio.

A perícia inicial aponta que Thais foi morta com mais de 30 facadas e teria sido asfixiada com um travesseiro antes dos golpes.

Para conseguir abrigo em Paranatinga, a 411 km de Cuiabá, a suspeita disse a uma amiga da cidade que a nora havia se suicidado, e que a família estava acusando ela do crime injustamente.



Os suspeitos não confessaram a autoria do crime e permaneceram calados durante todo o interrogatório. O casal está detido na delegacia de Primavera do Leste.

A polícia teve acesso a imagens de câmeras de segurança que mostram o suspeito saindo da casa da vítima.

Roupas, celulares e os carros, utilizados pelos suspeitos passarão por perícia para confirmar como o casal agiu, dentro da casa da vítima. Os dois foram autuados em flagrante por feminicídio.

O caso

A jovem estava deitada em um colchão e com uma faca cravada em seu braço. Ao lado do corpo de Thais estava a bebê, filha da vítima, sem ferimentos e com vida.

O corpo da vítima foi encontrado pelo vizinho da vítima, a pedido do marido da vítima, que chamou a polícia. O marido de Thais é caminhoneiro e estava fora da cidade. Sem conseguir falar com a mulher, o marido pediu que o vizinho fosse até a casa procurá-la.

O vizinho relatou à polícia que conversou com a vítima na noite anterior, na frente da casa dela. Thais teria comentado com o vizinho que estava com medo da sogra dela.

A sogra teria feito ameaças de morte à Thais e acusado a jovem de que a criança não era filha biológica do filho dela.

Thais ainda teria comentado que ela tinha uma medida protetiva contra a sogra por conta de desentendimentos.