20.8 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 16 janeiro, 2022
Publicidade
InícioVARIEDADESTECNOLOGIAVPNs descentralizadas, entenda como funcionam

VPNs descentralizadas, entenda como funcionam

Por CenárioMT

VPNs descentralizadas podem ser a forma mais recente de ficarmos seguros na web – e são até mesmo apontadas como uma forma de mudar o funcionamento da internet. Mas o que são exatamente esses serviços e como funcionam?

VPN regular vs. VPN descentralizada

Explicaremos o que é uma VPN descentralizada comparando-a a uma VPN normal. Normalmente, quando você se conecta a um site, está fazendo uma conexão entre o seu computador, o servidor do seu provedor de serviços de Internet e o servidor no qual o site está hospedado (How-To Geek, neste caso). É assim que a internet funciona.


--Continua depois da publicidade--

Uma VPN redireciona sua conexão entre seu ISP e o site através do que é chamado de túnel seguro. Isso supostamente protege sua conexão e, mais importante, altera seu endereço IP para o do servidor. Uma vez que a maioria dos serviços VPN tem localizações em todo o mundo, pode parecer que você está em qualquer lugar. É assim que as VPNs funcionam.

No entanto, existem algumas fraquezas na forma como as VPNs funcionam, sendo a maior delas a própria VPN. Enquanto a VPN oculta o seu comportamento online do seu ISP e dos sites que você visita, a própria operadora da VPN tem a disponibilidade técnica para ver tudo o que você faz. A maioria dos serviços VPN de primeira linha tem políticas de não registro em vigor que prometem evitar isso, mas no final, você está acreditando em sua palavra. Com todas as VPNs não confiáveis ​​por aí, isso pode nem sempre ser uma boa ideia.

O que é uma VPN descentralizada?

Uma VPN descentralizada – também conhecida como dVPN, VPN P2P ou, mais raramente, DPN – contorna esse problema conectando você não a um servidor proprietário, mas sim ao que é chamado de “nó”. Um nó pode ser um servidor, mas também pode ser o telefone ou laptop de alguém, ou mesmo um computador desktop em um escritório em algum lugar.

O dVPN obtém acesso a esses dispositivos dando a seus proprietários crédito pelo privilégio. Eles podem usar esse crédito para usar a rede por conta própria, tornando a coisa toda autossustentável. Para resumir a um nível elementar, Peter permite que Paula redirecione através de seu smartphone. Em troca, ela pode passar por seu laptop.


--Continua depois da publicidade--

Claro, à primeira vista, isso soa um pouco questionável, já que você está permitindo que completos estranhos acessem seus dispositivos. A boa notícia é que eles não estão acessando seus dispositivos. Em nenhum momento ninguém consegue uso real de sua máquina. O tráfego é encaminhado apenas por meio do seu endereço, por assim dizer. É comparável a usar o BitTorrent para baixar arquivos.

Dito isso, a maioria dos provedores de dVPN parece permitir dois tipos de planos: aqueles que permitem que você ganhe crédito ao permitir que outros direcionem seus dispositivos e aqueles que permitem que você pague pelo acesso como em uma VPN normal.

Como essa rede é descentralizada – outra palavra frequentemente usada é “sem servidor” – não há uma autoridade que possa coletar informações sobre o que você está fazendo. Além disso, dVPNs são dApps – ou “dapps” – que são executados no blockchain Ethereum, o que permite que qualquer pessoa veja como eles funcionam enquanto seus dados são mantidos em segurança.

Nas palavras de Dimitar Dobrev, fundador do VPNArea e do emergente serviço dVPN Neutrality Way, você deve pensar no Ethereum “como o banco de dados que os provedores de VPN têm para autenticar usuários, manter listas de servidores, credenciais, etc.” Em teoria, essa transparência pode tornar mais fácil descobrir quem está usando qual nó. No caso do Neutrality Way, o Sr. Dobrev propõe que um bot automatizado seja usado para desviar anonimamente o tráfego. Parece intrigante, e estamos curiosos para ver o que resultará disso.

VPNs descentralizadas vs. Tor

Se você sabe um pouco sobre esse tipo de coisa, toda essa conversa sobre nós provavelmente o fez pensar em algo do tipo “Mas isso é apenas Tor com etapas extras”. Você também não está errado. 1 Hacker Noon artigo até chama VPNs descentralizadas de “evolução do Tor”. Existem algumas diferenças importantes, no entanto.

O mais importante é que, enquanto o Tor funciona com base no voluntariado – as pessoas criam nós de graça, para qualquer um usar – os dVPNs são incentivados. Se você colocar um nó, pode esperar ser pago por seu problema, mesmo que seja apenas em créditos de rede que você mesmo pode usar. Por outro lado, você também pode optar por apenas pagar no sistema sem colocar um nó próprio. Isso também está bom. Esse incentivo pode ser a chave para manter os dVPNs viáveis ​​enquanto o Tor definha entre um grupo de aficionados.

Outra diferença é que os dVPNs provavelmente não irão saltar entre os nós. De acordo com o Sr. Dobrev, pular entre nós torna muito fácil coletar endereços IP e, portanto, colocá-los na lista negra, o que é ruim tanto para pessoas que tentam acessar as bibliotecas Netflix de outros países quanto para evitar a censura ao estilo chinês.

Outra vantagem que os dVPNs têm sobre o Tor é que os dVPNs têm melhor velocidade graças aos protocolos aprimorados. De modo geral, eles também devem ser capazes de acessar conteúdo restrito (como Netflix) porque você está usando endereços IP residenciais, não aqueles que os serviços de streaming sabem que pertencem a VPNs.


--Continua depois da publicidade--

Você pode usar uma VPN descentralizada?

Se tudo isso parece interessante, há um problema: muito poucos dos serviços que encontramos estão totalmente operacionais. Apenas o Orchid parece ter um sistema totalmente desenvolvido, com outros em diferentes estágios de prontidão.

Ainda assim, recomendamos que você verifique os fornecedores abaixo: A maioria deles tem sites com informações extensas – sério, gostaríamos que todos estivessem aqui com informações sobre seus produtos – bem como links para whitepapers longos, que é onde obtivemos muitas informações para este artigo.

Embora não possamos ir tão longe a ponto de recomendá-los, aqui estão cinco dVPNs que parecem ser muito bons:

  • Orquídea, que parece ser o único serviço verdadeiramente operacional no momento. Ele roda em sua própria criptomoeda chamada OXT.
  • Neutrality Way, um dVPN das mesmas pessoas por trás VPNArea, que tem algumas soluções muito inovadoras para os problemas que os dVPNs enfrentam.
  • Sentinela, que é único por usar os chamados validadores para governar sua rede.
  • Deeper, que visa criar Web3.0 com maior transparência para todos.
  • Rede Mysterium, que tem um dos sites mais informativos para pessoas não familiarizadas com a tecnologia.

Se os dVPNs são ou não o caminho do futuro, ainda não se sabe, mas esses aplicativos úteis já têm muito a seu favor. O tempo só dirá se eles serão a porta de entrada para um novo tipo de internet.


--Continua depois da publicidade--

Os melhores serviços VPN de 2021 para Netflix, privacidade e muito mais

VPN de melhor orçamento

SurfShark
ProtonVPN

Melhor VPN para Android

Me esconda

Melhor VPN para streaming

ExpressVPN
Acesso privado à Internet


Melhor VPN para Torrent

NordVPN

Melhor VPN para Windows

CyberGhost

Melhor VPN para Privacidade

VPN Mullvad
© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!

Publicidade

Redes sociais

107,356FãsCurtir
17,057SeguidoresSeguir
2,120SeguidoresSeguir

Lucas do Rio Verde

Covid em crianças
Profissionais da Saúde de Lucas do Rio Verde participam de reunião para tratar da vacinação contra a Covid em crianças
janeiro 16, 2022
Lucas do Rio Verde
Equipe de Esporte e Lazer visita local onde será construído o Complexo Esportivo de Lucas do Rio Verde
janeiro 16, 2022
MAIS DE 10 JOGADORES INFECTADOS
Surto de Covid-19 em time do Sorriso cancela amistoso contra o Luverdense
janeiro 15, 2022
volta às aulas na pandemia
Prefeitura de Lucas do Rio Verde orienta sobre cuidados para volta às aulas na pandemia
janeiro 15, 2022