Live-action da Branca de Neve: “Inclusão forçada não é estratégia eficaz” afirma especialista em Marketing

Fonte:

foto 10 1

foto 10 1

O novo live-action da Branca de Neve que deverá ser lançado em março de 2024 gerou controvérsia sobre o uso da polêmica como estratégia de marketing.

Dividindo opiniões desde o seu anúncio, o filme alterará pontos importantes do longa original, como a presença do príncipe, a etnia da protagonista, existência dos anões e a icônica frase “espelho, espelho meu, existe alguém mais bela do que eu?”.

Polêmica como estratégia de marketing

[Continua depois da Publicidade]

Usar polêmicas como estratégia de marketing envolve a criação de conteúdo provocativo e temas para gerar discussões e atenção pública. Essa abordagem busca estimular o engajamento e a visibilidade da marca ou produto, muitas vezes explorando tópicos controversos ou sensíveis, mas deve ser feita com bastante cuidado ou poderá prejudicar o lançamento do produto e a imagem da marca.

Um lançamento baseado em controvérsia

De acordo com a MBA em Marketing e Negócios Interativos, Jennifer de Paula, a inclusão forçada prejudica mais do que beneficia lançamentos.

O medo do cancelamento, a necessidade de lançamentos virais para garantir o sucesso da estreia, junto com a inclusão utilizada de forma inapropriada está criando um tipo de “gerenciamento de crise antecipado” onde não existe meio termo: Ou dá muito certo, ou dá extremamente errado”.

[Patrocinado]

Modificar pontos tão importantes da maior animação de todos os tempos, que durante 83 anos de seu lançamento criou uma imagem muito específica na cabeça do público, assim como em casos como ‘A Pequena Sereia’, que causam estranhamento ao serem alteradas bruscamente”.

A inclusão de personagens não pode interferir na história num geral. Imaginem se começássemos a transformar os protagonistas? Tarzan, que é filho de ingleses que desembarcaram em uma selva africana e com a morte de seus pais. Ele é criado por macacos. Faria sentido o intérprete ser negro? Agora vamos mudar o posicionamento: conseguem imaginar a Pocahontas loira de olhos claros? E um saci com as duas pernas na tentativa de não explorar o cotidiano dos deficientes físicos?” Questiona Jennifer de Paula.

Gestão de crise

Nesses casos a polêmica surte o efeito contrário, prejudicando o lucro e a imagem da empresa, o que também pode respingar em produtos futuros”.

A gestão de crise no marketing empresarial requer um plano estratégico abrangente, incluindo análise de riscos, identificação de cenários, desenvolvimento de protocolos de comunicação e formação de uma equipe de resposta. A adaptação ágil de campanhas e conteúdo, juntamente com um foco na preservação da reputação e confiança da marca, desempenham um papel fundamental na gestão eficaz de crises no marketing corporativo” Explica Jennifer de Paula.

Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues, Colunista do Cenário MT é um Pós-doutor e PhD em neurociências eleito membro da Sigma Xi, The Scientific Research Honor Society e Membro da Society for Neuroscience (USA) e da APA - American Philosophical Association, Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), Cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler, Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Membro ativo da Redilat, membro-sócio da APBE - Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva e da SPCE - Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Membro Mensa, Intertel e Triple Nine Society, sociedades de pessoas com alto QI.