Gigantes da tecnologia usam “contratação reversa” para dominar a IA

Fonte: CenárioMT

Gigantes da tecnologia consomem mais energia que dezenas de países: é hora de repensar a sustentabilidade?

Um padrão está emergindo no cenário da IA: a “contratação reversa”. Há alguns meses, em uma conferência de tecnologia em San Francisco, Emily Chang da Bloomberg entrevistou Reid Hoffman. Ela questionou sobre a contratação pela Microsoft da equipe por trás da Inflection, uma potencial rival da OpenAI cofundada por Hoffman.

Na prática, foi uma aquisição disfarçada, evitando o escrutínio de reguladores antitruste. A Microsoft (onde Hoffman é membro do conselho) não apenas contratou a maioria dos funcionários da Inflection, mas também licenciou sua tecnologia, aparentemente para compensar seus investidores.

Hoffman previu que o que aconteceu com a Inflection se tornaria um “padrão” para futuros acordos de IA. E de fato, estamos vendo esse padrão se repetir.

A estratégia dos gigantes

Gigantes da tecnologia usam "contratação reversa" para dominar a IA
Dall-E 3
[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

Recentemente, a Amazon anunciou a contratação da maior parte da equipe por trás da Adept, outra candidata a rival da OpenAI, que captou cerca de US$ 400 milhões para construir “um novo tipo de modelo gigante que transforma linguagem natural em ações na sua máquina”, segundo o CEO David Luan.

A Amazon informou que está contratando 80% dos funcionários da Adept, incluindo Luan e seus cofundadores. Em um memorando interno, o vice-presidente sênior Rohit Prasad disse que, assim como a Microsoft com a Inflection, a Amazon também licenciará a tecnologia da Adept para “acelerar nosso roteiro de construção de agentes digitais que podem automatizar fluxos de trabalho de software”.

O blog corporativo da Adept sugere que a empresa estava ficando sem dinheiro: “Continuar com o plano inicial da Adept de construir tanto inteligência geral útil quanto um produto de agente corporativo exigiria dedicar muita atenção à captação de recursos para nossos modelos de base, em vez de dar vida à nossa visão de agente”. Relatórios recentes indicam que a empresa estava procurando ser vendida.

Leia também: Funcionários de gigantes da IA alertam sobre perigos da tecnologia em carta aberta

A competitividade no ramo de IA

Gigantes da tecnologia usam "contratação reversa" para dominar a IA

Desenvolver modelos de IA líderes é extremamente caro, e arrecadar US$ 400 milhões não é suficiente para competir atualmente. Enquanto isso, as gigantes da tecnologia estão cheias de dinheiro e buscam entrar no que todos percebem como a próxima grande novidade.

É natural que mais startups de IA sigam o caminho da Inflection e da Adept à medida que o setor se consolida. O problema para as Big Tech é que elas não podem mais comprar empresas como antes. O regime atual de fiscalização antitruste certamente tentaria bloquear uma aquisição da Adept pela Amazon, mesmo que não houvesse um forte argumento legal para isso.

Conclusão

Mesmo assim, o capitalismo se adapta. O que a Microsoft fez com a Inflection e o que a Amazon acabou de fazer com a Adept é o novo manual das Big Tech para dominar a indústria de IA e sair impunes. O Vale do Silício tem uma longa história de “contratações predatórias”, onde uma startup é esvaziada de seus talentos e deixada para trás. A Microsoft e a Amazon fizeram o que são essencialmente “contratações reversas”, onde a contratação de pessoas e um correspondente acordo de licenciamento são projetados para disfarçar o que é na verdade uma aquisição.

Enquanto isso, Reid Hoffman provavelmente deveria ser parabenizado por mais do que apenas uma previsão precisa sobre o futuro desses negócios – um dos primeiros investidores da Adept era nada menos que sua firma de capital de risco, Greylock.