Amazon planeja reformulação radical da Alexa para competir no mercado de inteligência artificial

Fonte: CenárioMT

Alexa por assinatura? Amazon pode cobrar até R$ 50 mensais por assistente com inteligência artificial avançada
Créditos: Echo Pop / Amazon

A Amazon está planejando uma grande reformulação do serviço Alexa, que já existe há uma década e nunca deu lucro. A ideia é incluir inteligência artificial capaz de conversas naturais e oferecer o serviço em duas versões. Uma delas seria paga, custando entre US$ 5 e US$ 10 por mês, de acordo com fontes com conhecimento direto dos planos da empresa.

Conhecido internamente como “Banyan”, uma referência às figueiras-da-índia, o projeto representaria a primeira grande revisão da assistente virtual desde o seu lançamento em 2014, junto com a linha de alto-falantes Echo. A Amazon apelidou a nova assistente de voz de “Alexa Notável”.

As fontes incluem oito funcionários atuais e antigos que trabalharam na Alexa e falaram sob condição de anonimato por não estarem autorizados a discutir projetos confidenciais.

[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

A Amazon pressionou os funcionários para cumprirem o prazo de agosto para preparar a versão mais recente do Alexa, disseram três das fontes, observando que o CEO Andy Jassy tem um interesse pessoal em ver o Alexa revigorado. Em uma carta aos acionistas de abril, Jassy prometeu uma “Alexa mais inteligente e capaz”, sem fornecer detalhes adicionais.

Os planos da empresa para o Alexa, incluindo preços e datas de lançamento, podem ser alterados ou cancelados dependendo do progresso do Projeto Banyan, alertaram as fontes.

“Já integramos inteligência artificial generativa em diferentes componentes do Alexa e estamos trabalhando duro na implementação em larga escala – em mais de meio bilhão de dispositivos habilitados para Alexa já em residências ao redor do mundo – para permitir uma assistência ainda mais proativa, pessoal e confiável para nossos clientes”, disse uma porta-voz da Amazon em um comunicado.

Alexa paga? Amazon enfrenta desafios

Amazon planeja reformulação radical da Alexa para competir no mercado de inteligência artificial
Créditos: Echo Pop / Amazon

O serviço, que fornece respostas faladas a perguntas dos usuários, como a previsão do tempo local, e pode servir como um hub para controlar eletrodomésticos, foi um projeto favorito do fundador da Amazon, Jeff Bezos. Ele imaginava uma tecnologia que pudesse imitar o computador de voz fictício retratado na série de televisão Star Trek.

Para a Amazon, acompanhar os rivais em inteligência artificial generativa é crítico, pois Google, Microsoft e OpenAI têm recebido mais atenção favorável por seus chamados chatbots que podem responder quase instantaneamente com frases completas a perguntas ou prompts complicados.

O lançamento do ChatGPT no final de 2022 desencadeou uma onda de investimentos em empresas de IA e levou a fabricante de chips Nvidia a ultrapassar a Amazon e outras empresas em capitalização de mercado, tornando-se brevemente a segunda empresa mais valiosa do mundo.

A Apple também está avançando com sua própria estratégia de IA, incluindo a atualização de seu software ativado por voz Siri embutido em iPhones para incluir respostas mais conversacionais.

Alguns funcionários da Amazon que trabalharam no projeto dizem que Banyan representa uma “tentativa desesperada” de revitalizar o serviço, que nunca deu lucro e ficou para trás em meio ao surgimento de produtos de IA generativa competitivos nos últimos 18 meses. Essas pessoas disseram que a alta administração lhes disse que este ano é crítico para o serviço finalmente demonstrar que pode gerar vendas significativas para a Amazon.

Acessada principalmente por meio de TVs Amazon e dispositivos de alto-falante Echo, a Alexa é popular principalmente para definir alarmes, acessar rapidamente a previsão do tempo, tocar músicas ou responder a perguntas simples. As esperanças da Amazon de impulsionar as vendas em sua operação de comércio eletrônico por meio do serviço não deram certo, principalmente porque os usuários gostam de ver primeiro os produtos que estão comprando para facilitar a comparação.

Amazon planeja reformulação radical da Alexa para competir no mercado de inteligência artificial

[-CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE-]

Com uma IA embutida, a Amazon espera que os clientes Alexa peçam conselhos de compras, como quais luvas e gorro comprar para uma viagem de escalada, semelhante a um serviço baseado em texto em seu site conhecido como Rufus, que a Amazon lançou no início deste ano.

A Amazon está trabalhando para substituir o que se refere internamente como “Alexa Clássica”, a versão gratuita atual, por uma com inteligência artificial e outro nível que usa software de IA mais poderoso para consultas e solicitações mais complicadas, pelo qual os usuários teriam que pagar pelo menos US$ 5 por mês para acessar. A Amazon também considerou um preço de cerca de US$ 10 por mês.

No entanto, as pessoas questionaram se os clientes estariam dispostos a pagar por um serviço, mesmo que reformulado, que é oferecido gratuitamente hoje. A Amazon também tem sido atormentada por falsos inícios no desenvolvimento da IA e outros desafios, como alucinações (quando o software produz informações falsas ou enganosas) e baixo moral dos funcionários da divisão.

Resta saber se a reformulação da Amazon será suficiente para revitalizar a Alexa e torná-la um sucesso comercial. A empresa enfrenta desafios significativos, mas também tem a oportunidade de criar um serviço de assistente virtual verdadeiramente inovador e útil.