Surpresa! cobra jiboia bufa e fica pronta para atacar

Fonte: CenarioMT

A jiboia é uma serpente da família Boidae, sendo encontrada nas Américas, África, na Europa, na Ásia e em algumas Ilhas do Oceano Pacífico.
A jiboia é uma serpente da família Boidae, sendo encontrada nas Américas, África, na Europa, na Ásia e em algumas Ilhas do Oceano Pacífico.

Nada amistosa, uma cobra jiboia foi descoberta quando estava escondida debaixo de uma alguma tábuas. Assista ao vídeo abaixo.

Pelo que deu para perceber, a jiboia não gostou nada de ter seu esconderijo encontrado e começou a bufar de brava e indicando que estava pronta para atacar.

A jiboia não é uma cobra peçonhenta, ou seja, não possui veneno, mas poder dar botes e sua mordida é muito dolorida. O ferimento pode causar infecção grave.

 

[Continua depois da Publicidade]

Saiba mais sobre a jiboia

A jiboia é uma serpente da família Boidae, sendo encontrada nas Américas, África, na Europa, na Ásia e em algumas Ilhas do Oceano Pacífico.

“É considerado um animal viviparo porque os filhotes já nascem vivos e totalmente formados, prontos para seguir a vida. O termo ‘ovoviviparo’ caiu em validade e desuso para reprodução em répteis, com artigos publicados desde 1993 e publicado em livros desde 2011”, relatou ao CenárioMT, a Bióloga Herpetóloga – Samara Vieira – do Instituto Butantan.

A jiboia é basicamente um animal com hábitos noturnos (o que é verificável por possuir olhos com pupila vertical), ainda que também tenha atividade diurna.
A jiboia é basicamente um animal com hábitos noturnos (o que é verificável por possuir olhos com pupila vertical), ainda que também tenha atividade diurna.

“Durante toda a gestação os embriões recebem nutrientes do vitelo que é formado junto ao ovocito da mãe, antes de ser fecundado. Então conforme se desenvolvem, recebem nutrientes desse vitelo, mas também tem trocas gasosas e de água com a mãe durante toda a gestação, pelo fato do embrião estar envolto por uma membrana placentária. Não ocorre a incubação de um ovo separado do corpo da mãe. Claro que essa troca materna é diferente de mamífero, onde a mãe tem que se alimentar bem durante a gestação, pra passar pro filhote. No caso das cobras, elas tem que estar alimentadas antes de gerar.”, acrescentou Vieira.

Se você gostou deste post – vai gostar também de ler esta notícia: Impressionante; sucuri maior que o riacho assusta moradores

Siga-nos no Facebook Twitter para se manter informado com as notícias de hoje!

Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do CenárioMT produzindo conteúdo sobre a região norte de Mato Grosso.