Secretário afirma que setor de serviços e Parque Tecnológico serão responsáveis por salto em desenvolvimento

Assessoria/Sedec
Assessoria/Sedec

O setor de serviços e o Parque Tecnológico serão responsáveis pelo desenvolvimento de Várzea Grande no futuro. Essa é a percepção do secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Cesar Miranda, durante entrevista às pesquisadoras do Núcleo de Pesquisas Econômicas e Socioambientais (Nupes) da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), doutora Charline Dassow, coordenadora do Nupes, e àprofessora do curso de economia, doutora Claudia Heck. Elas integram a equipe que elabora o Plano Municipal de Desenvolvimento Econômico de Várzea Grande.

A pesquisa foi encomendada pela Prefeitura de Várzea Grande e teve início em março deste ano. Coordenada pela professora Carla Cristina Rosa de Almeida, os trabalhos devem encerrar no primeiro semestre de 2024. São ouvidos empresários de todos os setores e gestores públicos. Além disso, são levados em conta dados econômicos, inclusive, do Observatório de Desenvolvimento Econômico da Sedec.

“Esse Parque vai elevar Várzea Grande a um patamar de desenvolvimento porque não deixa de ser uma indústria de tecnologia, que vai fomentar toda essa criatividade, as startups de tecnologia da informação, e muito provavelmente vai absorver a mão de obra da juventude de Várzea Grande. A tecnologia será a solução para a mudança da cidade. Várzea Grande precisa voltar a sua origem de ser uma Cidade Industrial, é o perfil dela”, comentou o secretário.

Ele também destacou que houve melhora na qualidade dos serviços da cidade que ajudam a alavancar o desenvolvimento como bons condomínios para se morar, rede hoteleira de qualidade, e isso são frutos de investimentos no setor de serviços, que mais gera empregos no Estado.

[Continua depois da Publicidade]

Charline Dassow destacou que a equipe já chegou a um diagnóstico socioeconômico, o qual apontou que Várzea Grande já melhorou em vários indicadores, contudo, ainda estão abaixo do desempenho da capital.

“A gente utilizou série histórica a partir de 2010 com informações sobre emprego, renda, população, demografia, saúde, educação, infraestrutura, telecomunicações, transporte. Nesta etapa, estamos ouvindo os agentes econômicos para compreender o que eles entendem do desenvolvimento econômico e o que eles acham que precisa ter de melhoria, potencialidades e o que pode contribuir com o desenvolvimento de Várzea Grande”, afirmou.

O Parque Tecnológico, construído por meio de uma parceria entre o Estado e a União, ao custo de cerca de R$ 8,7 milhões, tem como objetivo principal trabalhar com as áreas de agronegócio, biotecnologia, tecnologias da informação e comunicação, hardwares e softwares, geociências, química verde e novos materiais.

Localizado na região do Chapéu do Sol, em Várzea Grande, a área total do Parque Tecnológico é de 16 hectares.

Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso. Já trabalhou em Rádio Jornal (site e redação).