Pintor morre eletrocutado no 1º dia de trabalho em obra pública em Cuiabá

Segundo informações apuradas pelo delegado Nilson Farias da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Paulo, que prestava serviços para a uma empresa terceirizada.

Fonte: CenarioMT

Pintor morre eletrocutado no 1º dia de trabalho em obra pública em Cuiabá

Um acidente de trabalho marcou a manhã desta terça-feira (21) em uma obra da Secretaria de Estado de Assistência Social (Setasc), em Cuiabá (MT). O pintor Paulo César, de 42 anos, que estava em seu serviço, faleceu após sofrer uma descarga elétrica ao encostar em uma estrutura metálica.

Segundo informações apuradas pelo delegado Nilson Farias da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Paulo, que prestava serviços para a uma empresa terceirizada, realizava reparos na parte elétrica do telhado que está em obra, quando sofreu o choque.

Ele era natural de outro estado e estava em Mato Grosso há pouco tempo.

“Tudo indica que foi um acidente de trabalho”, afirma delegado

“A princípio, ele encosta na rede elétrica, sofreu uma descarga e veio a óbito. Tudo indica, preliminarmente, que foi um acidente de trabalho. Nada mais que isso”, explicou o delegado Nilson Farias.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Setasc lamenta a morte e diz que vai apurar o caso

Em nota, a Setasc manifestou pesar pelo falecimento de Paulo César e esclareceu que o homem atuava como colaborador de empresa contratada pelo Estado.

A Secretaria informou que aguardará a apuração dos fatos pela Polícia Judiciária Civil para tomar as providências cabíveis.

Coronel Sovinski revela que equipes de resgate foram acionadas, mas a vítima não resistiu

O coronel Sovinski, secretário adjunto da Setasc, revelou que após o acidente, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), bem como equipes do Corpo de Bombeiros foram acionados e tentaram reanimar Paulo, mas sem sucesso.

Secretaria afirma que vai apurar se houve falha da construtora

O coronel Sovinski também informou que a Secretaria está dando suporte à família do trabalhador e que vai apurar o acidente, a fim de esclarecer se houve alguma falha por parte da construtora. Ele ainda ressaltou que a empresa TMF Construções é responsável por fornecer os equipamentos de proteção individual (EPIs) aos seus funcionários.

O corpo de Paulo César foi encaminhado para exame de necropsia e identificação no Instituto Médico Legal (IML).