Livro mostra a relação entre El Niño e agricultura

Fonte: Assessoria

Inmet divulga dados que mostram o enfraquecimento do El Niño - Foto: Divulgação
El Niño - Foto: Divulgação

A publicação “El Niño Oscilação Sul – Clima – Vegetação – Agricultura” traz o resgate histórico, explicando como ocorrem as ocorrências climáticas El Niño e La Niña, relacionadas com os impactos no clima do mundo e na agricultura brasileira. Os autores são os professores da UFRGS Moacir Berlato e Denise Fontana, e o pesquisador Gilberto Cunha, da Embrapa Trigo. O livro está disponível para download no site da Embrapa Trigo .

A aparência El Niño – Oscilação Sul (ENOS) possui duas fases: uma quente (El Niño) e outra fria (La Niña). O comportamento da temperatura das águas do Oceano Pacífico tropical associado aos campos de pressão altera o padrão de circulação geral da atmosfera. Com isso, acaba influenciando no clima de diferentes regiões do mundo, sendo o responsável pelas chamadas anomalias climáticas persistentes, que duram de 6 a 18 meses. Admite-se que há cerca de 20 regiões no mundo cujo clima é afetado pelas fases do ENOS.

Nos últimos 40 anos, ocorreram quatro eventos extremos de El Niño no mundo (1982-1983, 1997-1998, 2015-2016 e 2013-2024), o que não aconteceu no período completo dos últimos 150 anos de registro. Contudo, um estudo que envolveu doze investigadores de seis países (Austrália, França, Índia, Reino Unido, Coreia do Sul e Estados Unidos) concluiu, que ainda não é possível associar a variabilidade do El Niño às mudanças climáticas, ou seja, não é possível dizer se a atividade do El Niño será maior ou menor ou se sua frequência mudará num cenário de aumento da temperatura global.

O ENOS é caracterizado pela recorrência (aperiódica, alternando fases quentes/El ​​Niño e fria/La Niña, em ciclos que podem variar de 2 a 7 anos) e pelo elevado nível de incerteza dos impactos que, ambientalmente, podem causar. As anomalias climáticas mais conhecidas e de maior impacto estão relacionadas com o regime de chuvas, embora o regime térmico também possa ser alterado.

No Brasil, os grandes efeitos dos fenômenos ENOS acontecem em três regiões: no Norte, particularmente na Amazônia, no Nordeste e no Sul. E, nessas regiões, o El Niño geralmente está associado a secas na Amazônia e no Nordeste e precipitações abundantes no Sul. Ao contrário, La Niña determina precipitações pluviais elevadas, enchentes e altas vazões de rios nas regiões do norte e secas no sul.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Impactos climáticos das características ENOS

No Sul do Brasil, geralmente ocorre excesso de chuvas nos anos de El Niño e estiagem em anos de La Niña. Apesar da influência do ENOS ocorrer durante todo o período de atuação desses eventos, há duas épocas do ano que são mais afetadas pelas fases do ENOS. São elas: primavera e começo de verão (outubro, novembro e dezembro), no ano inicial do evento, e final de outono e começo de inverno (abril, maio e junho), no ano seguinte ao início do evento. Assim, nessas épocas, as chances de chuvas acima do normal são maiores, em anos de El Niño (como ocorreram em 1997/1998 e 20023/2024), e chuvas abaixo do normal, em anos de La Niña (exemplo, evento 1998/ 1999).

Para o agrometeorologista Gilberto Cunha, da Embrapa Trigo, a ocorrência de previsões climáticas extremos é inesperada, mas o conhecimento e a previsibilidade dos eventos o melhor enfrentamento das anomalias: “Saber lidar com as fases extremas do fenômeno ENOS, no caso da agricultura, envolve tanto estar preparado para a mitigação de efeitos adversos pelo clima, quanto saber aproveitar as condições ambientais específicas para os cultivos”, afirma Cunha.

Segundo Gilberto Cunha, os eventos relacionados à ENOS nem sempre estão associados a prejuízos na agricultura. Os efeitos da La Niña, na maioria das vezes, favorecem os cereais de inverno, enquanto prejudicam os cultivos de verão na Região Sul; Ao contrário, as chuvas do El Niño geralmente prejudicam os cultivos de inverno e ajudam as lavouras no verão.

Origem do El Niño

A origem do nome El Niño se deve aos pescadores das regiões costeiras do Peru e do Equador, que, anualmente, notavam uma corrente de águas relativamente quentes, vinda do norte, invadia a região costeira, trazida a ressurgência (afloramento de águas profundas, frias e ricos em nutrientes), quando os peixes sumiam e as aves migravam ou morriam em grande quantidade. Como essa corrente de águas quentes aparecia próximo do Natal, os pescadores a chamavam de “corriente de El Niño”, em referência ao Menino Jesus (Niño, em espanhol).

Os pescadores também notaram que, em outros anos, as águas costeiras daquela região ficaram mais frias do que o normal, a ressurgência aumentou e a cadeia alimentar enriquecia, com abundância de pesca. Essa situação, em meados de 1980, acabou batizada como La Niña.

O El Niño tem suas raízes históricas na costa do Peru e Equador, e, por muitos anos, foi conhecido como um fenômeno local. Em 2017, o El Niño provocou um dos maiores desastres naturais na costa norte do Peru e na costa sul do Equador, espalhando destruição, fome e morte. Durante três meses (fevereiro-março-abril), os impactos do El Niño atingiram 1,1 milhão de pessoas, com o total de 162 mortes, quase 5 mil quilômetros de rodovias danificadas, 489 pontes destruídas, 400 mil casas danificadas, com um prejuízo econômico de 3,9 bilhões de dólares.

Orientações para a produção de grãos

Chuva acima do normal

■ começar a semeadura no início do período recomendado pelo Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC), particularmente no caso do cultivo de grandes áreas;

■ preparar antecipadamente a estrutura para a semadura, realizar limpeza, regulação e reparos em máquinas e deixar os insumos disponíveis para, quando o tempo permitir, desencadear a operação;

■ não parecer com o solo excessivamente úmido, evitando o risco de compactação e manipulação da estrutura do solo;

■ priorizar esquemas de rotação de culturas, pois, em ano de alta umidade, o ambiente costuma favorecer o desenvolvimento de doenças;

■ escolher cultivares resistentes às principais doenças que ocorrem na região;

■ dar atenção especial à sanidade e ao tratamento de sementes;

■ eleger cultivares não suscetíveis ao acamamento;

■ cuidar a adubação nitrogenada em cobertura. Em anos de muita chuva, a lixiviação de nitrogênio (N) pode ser grande e os sintomas de deficiência de N ficarão evidenciados;

■ evitar o uso de áreas sujeitas a inundações prolongadas;

■ realizar a colheita tão logo as grãos tenham umidade adequada para a operação, evitando a ocorrência, devido às chuvas frequentes, de perdas quantitativas e qualitativas em pré-colheita; e

■ adotar o Sistema Plantio Direto, em função da conservação do solo e da praticidade para realizar a semeadura.

Chuva abaixo do normal

■ manter o solo descompactado ou evitar o adensamento excessivo;

■ mobilizar apenas o mínimo possível, por ocasião das operações de manejo;

■ dar preferência ao Sistema Plantio Direto;

■ observar o ZARC (começar a semeadura no início do período indicado, escalonar épocas de semeadura e priorizar o uso de cultivares de ciclos diferentes);

■ não utilizar população de plantas superior à indicada para a cultura;

■ implantar culturas sob condições adequadas de umidade e temperatura do solo;

■ regular a profundidade de semeadura um pouco maior do que a usual, e usar sulcadores para auxiliar as culturas a aprofundarem o sistema radicular para acessar a água armazenada no solo. Essa tática pode ser importante quando o intuito é superar períodos curtos de estiagem;

■ evitar o esvaziamento de barragens/açudes;

■ racionalizar o uso da água e irrigar quando necessário, dando preferência, em casos extremos, para os períodos críticos de cada cultura;

■ utilizar cultivares que possuam maior capacidade de aprofundar o sistema radicular, característica relacionada com a tolerância à presença de alumínio no solo.

É formado em Jornalismo. Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do CenárioMT produzindo conteúdo sobre política, economia e esporte regional.