4 Dicas para fazer transferência internacional de forma segura

0
dollar
por Pixabay

É possível fazer transações financeiras entre países de forma segura e econômica. Veja como.

É fato que as fronteiras do mundo estão se expandindo. As relações entre os países ao redor do globo estão mais e mais estreitas. E mesmo aquelas pessoas que jamais se imaginaram fazendo trocas comerciais com outros países hoje estão fazendo compras online.

Diante dessa nova cultura, as transferências internacionais têm sido frequentemente solicitadas.

Há muitas necessidades que levam à utilização desse tipo de serviço. Seja para fazer ou receber pagamentos de fornecedores e clientes, ajudar um filho ou cônjuge que está morando fora do país. Ou ainda economizar na hora de comprar moedas estrangeiras para aquela viagem dos sonhos, transferir dinheiro para o exterior é mais comum do que se imagina.

Pensando nisso, eis algumas dicas para que o procedimento seja feito de forma segura.

  1. Escolher a plataforma

Sempre que se fala em transferência bancária, o primeiro pensamento que vem à cabeça são as agências bancárias convencionais.

Claro que elas seguem sendo uma opção segura, porém, são mais burocráticas, demoradas e caras. E as transferências via banco não são únicas alternativas para enviar dinheiro para fora do país.

Há ainda ordem de pagamento, vale postal eletrônico e as transações digitais, que estão se popularizando dadas às suas inúmeras facilidades.

Além dos serviços oferecidos para transferência internacional do Santander, Bradesco, Banco do Brasil e outras instituições financeiras internacionais, boas opções são as empresas de envio de dinheiro digitais como Remessa Online, Western Union, Transferwise, Moneygram e outras.

Independentemente da forma escolhida, é importante verificar junto ao Banco Central se a instituição tem autorização para funcionar oferecendo esse tipo de serviço financeiro.

  1. Atenção aos impostos

Toda movimentação de dinheiro entre bancos situados em países diferentes implica no pagamento de impostos. Portanto, é importante conhecê-los.

O primeiro deles é o Imposto sobre Operação Financeira (IOF), que está presente em todo tipo de operação de crédito como empréstimos, seguros, câmbio, aquelas que envolvem títulos mobiliários – e, claro, o envio de dinheiro para outro país.

O valor do IOF cobrado para transferências internacionais varia entre 0,38% e 1,1%, de acordo com a natureza da remessa.

As taxas de câmbio são referentes à compra e venda de moedas estrangeiras. Existem, basicamente, dois tipos de taxas: o câmbio comercial e o câmbio turismo.

O comercial é aquele cobrado por importação e exportação. O turismo é aplicado sobre o câmbio comercial de cada moeda para fins de compra e venda de divisa estrangeira para cobrir gastos de viagens internacionais.

Há ainda as tarifas de envio cobradas pelos bancos e casas de câmbio para realizarem as movimentações financeiras entre contas bancárias situadas em países diferentes.

O valor varia de acordo com a instituição e tanto quem recebe quanto quem envia pode ter que pagar.

Além disso, o banco cobra ainda o IOF de acordo com a titularidade da conta, taxa de câmbio, taxa de transferência SWIFT (código que permite a comunicação entre os bancos) mais o Valor Efetivo Total (VET).

Ele é o custo, em reais, que uma pessoa vai pagar pela compra de qualquer moeda estrangeira. Nesse valor estão inclusos: tributos, taxas de câmbio e tarifas incidentes na operação.

  1. De olho na cotação

Como dito acima, as moedas estrangeiras podem ser cotadas de duas maneiras distintas.

Normalmente, a taxa de câmbio considerada pelas instituições tradicionais como bancos e casas de câmbio é o turismo, o que encarece a operação.

Já as plataformas digitais consideram o câmbio comercial, ou seja, não incluem margem de lucro na transação de compra e venda da moeda internacional pretendida. Assim, a transferência internacional em dinheiro fica consideravelmente mais barata.

Por isso, é importante acompanhar o câmbio da moeda pretendida para fazer simulações e enviar o dinheiro quando a cotação estiver mais favorável.

Ou seja, quando o valor da moeda estrangeira em reais estiver mais baixo é bom enviar o dinheiro para o exterior. Já quando a ideia for enviar dinheiro de fora para o Brasil, o melhor é esperar a alta do câmbio.

  1. Prazos

Antes de fazer uma transferência internacional é preciso se programar. Embora o procedimento seja relativamente simples, as transações podem levar de um a cinco dias, dependendo da plataforma escolhida.

Importante pesquisar antes para evitar surpresas. Ninguém quer enviar o dinheiro e descobrir que levará mais tempo do que se imaginava para que caia na conta do beneficiário.


Amazonia 03 de Junho