Em meio a polêmica, presidente do Indea alega motivos pessoais e pede para sair do Governo

0
Foto: Reprodução

O ex-secretário de Patrimônio da Assembleia Legislativa, que estava há menos de dois meses como presidência do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT), Luiz Fernando da Silva Flamínio, deixou o cargo nesta quarta-feira (27).

Sua saída foi confirmada após publicação do governador Mauro Mendes (DEM) no Diário Oficial com a exoneração. Oficialmente, a assessoria do órgão garante que a saída de Luiz Fernando segue motivação pessoal.

“O Luiz Fernando Flamínio comunicou o secretário de Desenvolvimento Econômico , César Miranda na tarde de terça-feira (26.05) sua saída da presidência do Indea-MT alegando motivos pessoais. O secretário ainda está avaliando nomes para o cargo e não há data para uma nova nomeação”, diz a nota oficial da instituição.

Antes de assumir o posto no governo de Mato Grosso, Luiz Fernando era secretário de Patrimônio da Assembleia Legislativa e era considerado “braço direito” do deputado Dilmar Dal Bosco, líder do Governo na Casa de Leis.

Não há nada oficial que confirme que a saída de Fernando tenha sido motivo pela briga entre Aprosoja e Indea, por conta do plantio de soja em período diferente. O Indea é crítico de um plantio experimental realizado por produtores e chegou a chamar as sementes usadas de “piratas” e confirmou ter encontrado a praga ferrugem asiática, por isso seria contra esse plantio em período diferente do que já é feito.

O plantio da soja experimental foi, atualmente, autorizado pelo Tribunal de Justiça. Contudo, a colheita deve ser acompanhada pelo Indea, que terá a missão de “guardar” a soja até julgamento do mérito do caso. A Aprosoja é a favor desse tipo de plantio, tendo em vista o reaproveitamento da terra e o período diferente para poder fazer a escoação dos grãos. O estado é contra e ainda chama a plantação em fevereiro de irresponsável.

Nesse embate estado e Aprosoja, Fernando é o segundo presidente do Indea a deixar o cargo. Ele assumiu em abril no lugar de Tadeu Mocelin, que saiu após desentendimentos com o secretário Cesar Miranda.

Por enquanto, não há nomes ou data para a próxima nomeação.


Amazonia 03 de Junho