Nenhuma instituição com nota máxima em Mato Grosso

No Estado, nove universidades, faculdades ou centros do estado tiveram notas consideradas insuficientes em avaliação do Inep

0
Univag, em Várzea Grande, uma das oito instituições de Mato Grosso que alcançou nota 4 de IGC, numa escala que vai de 1 a 5

Nenhuma instituição de ensino superior (IES) de Mato Grosso alcançou o conceito máximo do Índice Geral de Cursos (IGC), segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A pesquisa foi divulgada na última terça-feira (18) e os dados são referentes ao ano de 2017. Nove universidades, faculdades ou centros do estado tiveram notas consideradas insuficientes.

Dentre 42 instituições, entre públicas e privadas, oito alçaram 4 de IGC, numa escala que vai de 1 a 5. Dentre elas, está a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), a principal instituição de ensino superior do Estado, e o Centro Universitário (Univag). Outras 25 ficaram na faixa 3, a exemplo da Unemat e a Unic Cuiabá.

Já nove IES alcançaram apenas 2 pontos, índice considerado insatisfatório. Dentre eles, a Fauc e o Icec, ambos localizados na capital e a Faculdade de Alta Floresta. Além do ÍGC, o Inep também avaliou o Conceito Preliminar de Curso (CPC), que é calculado a partir da nota dos estudantes no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade); do Indicador de Diferença entre os Desempenhos Esperado e Observado (IDD); do perfil dos professores, que leva em consideração o regime de trabalho e a titulação; e do questionário aplicado aos estudantes sobre as percepções do processo formativo.

O IGC e o CPC fazem parte do Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Sinaes) e classificam as instituições, cursos e estudantes universitários em uma escala de 1 a 5, sendo que a nota máxima é 5 e as notas 1 e 2 são consideradas “insuficientes”.

A cada ano um grupo diferente de cursos é avaliado. Em 2017, foram avaliados os de bacharelado e licenciaturas em Ciências Exatas e dos cursos superiores de tecnologia em Controle e Processos Industriais, Informação e Comunicação, Infraestrutura, Produção Industrial.

No Estado, o curso de “Geografia”, da Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena, que fica em Juína (270 quilômetros, ao norte de Cuiabá), alcançou a nota 5. O índice máximo também foi obtido pela “Educação Física” do Univag e pelo curso de “Pedagogia”, da Faculdade Anhaguera de Rondonópolis.



No país, 278 instituições tiveram desempenho inferior às demais instituições avaliadas no ano passado. De acordo com a autarquia, ligado ao Ministério da educação (MEC), 13,5% das faculdades ou universidades tiveram um índice geral de cursos avaliados da instituição entre 1 ou 2.

Ao todo, 10.210 cursos e 2.066 IES tiveram os conceitos CPC e IGC divulgados, respectivamente. Em outubro, o Inep já tinha divulgado o Conceito Enade e o Indicador de Diferença entre os Desempenhos Esperado e Observado (IDD). Para o cálculo do IGC 2017, foram considerados CPCs de anos anteriores, totalizando 22.271 cursos de graduação. Foram considerados ainda 4.245 programas de mestrado e doutorado.