22.5 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 18 maio, 2021
InícioVARIEDADESUma montanha de recicláveis para chegar ao topo do Everest

Uma montanha de recicláveis para chegar ao topo do Everest

A educadora física Aretha Duarte foi a primeira da família a conquistar um diploma de ensino superior. O desafio é escalar os 8.848 m do monte mais alto do planeta.
Por Victor Ribeiro - Repórter da Rádio Nacional Brasília - Brasília

A gente ouve por aí que toda caminhada começa com o primeiro passo. Mas e uma escalada?

A educadora física Aretha Duarte mora na periferia de Campinas, em São Paulo, e foi a primeira da família a conquistar um diploma de ensino superior. Agora, ela quer ir mais alto. Literalmente.


--Continua depois da publicidade--

O desafio é escalar os 8.848 metros do monte Everest – o mais alto do planeta, localizado entre o Nepal e o Tibete.

Para iniciar a subida, Aretha disse que não precisou só de um, mas de seis passos: estar com ótimo condicionamento físico, ter experiências de escalada em rocha, escalada em gelo, ter subido diferentes montanhas e ter escalado montanhas de 7 mil a 8 mil metros de altitude. Faltava o sexto passo.

“As questões físicas, técnicas, eu já tinha alcançado ao longo dos anos de trabalho – trabalho com montanhismo desde 2011 –, mas o que eu não tinha foi o que eu chamei de sexto passo, o investimento financeiro para essa empreitada. Então eu comecei a jornada em março de 2020, juntando material reciclável, que era algo que eu fazia na minha infância e adolescência. Foram 13 meses juntando aproximadamente 500 quilos de material por dia, com a ajuda de familiares e amigos, para chegar até aqui”.

Aretha Duarte faz montanhismo há 10 anos. Mas sabe por que ela decidiu em março do ano passado escalar o Everest agora? É que ela estava de viagem marcada para o Nepal, para ser guia de um grupo até o campo base da montanha, mas o país tinha fechado as fronteiras.


--Continua depois da publicidade--

Então, Aretha decidiu que, quando pudesse, iria além do campo base e chegaria ao topo do Everest. A oportunidade chegou. “Apesar das dificuldades, de frio, de pouco conforto, de uma região inóspita, de uma comida diferente da nossa casa, de ficar distante da nossa família e amigos, de ser uma expedição muito longa, são aproximadamente 60 dias, enfim. Têm muitas adversidades, mas, de verdade, estou desfrutando demais dessa expedição, estou muito contente em poder realizar, e por isso estou muito grata e feliz por essa jornada”.

Ainda deve levar cerca de um mês até que Aretha Duarte chegue ao topo do Everest. Se ela conseguir, será a primeira brasileira negra a fazer isso. E está consciente que esse é o primeiro de outros grandes desafios para popularizar um esporte ainda dominado por homens brancos e ricos.

“E muito além de chegar ao topo dessa montanha. Eu entendi que essa minha empreitada é para gerar recursos e abrir portas para que as pessoas que têm dificuldade de oportunidades tenham esse acesso. Por exemplo, a escalada. Dentro do projeto eu tenho a missão e o compromisso de instalar paredes de escalada na periferia, para que esse esporte que me faz tão bem chegue a outras pessoas. Assim como outras oportunidades, como tecnologia, robótica, artes, filosofia”.

O retorno da Aretha ao Brasil está previsto para o fim do mês de maio. Quem quiser acompanhar essa jornada pode seguir a montanhista na internet. O perfil dela no Instagram é @Aretha_Duarte.


Gustavo Praiadohttps://www.cenariomt.com.br
Gosta de economia, assistir séries, filmes de ação e gosta de videogames. Editor no CenárioMT nos cadernos de Economia e Mundo, mas nem por isso deixa uma notícia regional em branco, sempre atento as tendências que o internauta procura para ficar bem informado.
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

DESENVOLVIMENTO
Duplicação da BR 163 deverá ser uma das bandeiras do Cidesa nos próximos meses
maio 17, 2021
BOLETIM CORONAVÍRUS
Lucas do Rio Verde registra mais um óbito por covid-19 e número de mortes chega a 143
maio 17, 2021