26.4 C
Lucas do Rio Verde
sábado, 31 outubro, 2020
Início VARIEDADES Ministério da Saúde lança campanha de incentivo à amamentação

Ministério da Saúde lança campanha de incentivo à amamentação

Pesquisa mostra crescimento do aleitamento materno no Brasil
Por CenarioMT

Os índices de amamentação cresceram no Brasil nos últimos anos. É o que mostra um estudo divulgado nesta terça-feira (4) pelo Ministério da Saúde, em meio a Semana Mundial de Aleitamento Materno 2020. Os dados apontam que, atualmente, mais da metade (53%) das crianças continuam sendo amamentadas no primeiro ano de vida.

Entre as crianças menores de quatro meses, 60% se alimentam exclusivamente do leite materno. Já entre as menores de seis meses, o índice é de 45,7%. Ainda, 60,9% das crianças menores de dois anos foram amamentadas. Os dados são do resultado preliminar do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani). Foram avaliadas 14.505 crianças menores de cinco anos entre fevereiro de 2019 e março de 2020.

De acordo com o Ministério da Saúde, ao comparar dados de uma pesquisa do ministério de 2006 com o Enani, há um aumento de 15 vezes na prevalência de aleitamento materno exclusivo entre as crianças menores de 4 meses, e de 8,6 vezes.

Em relação ao aleitamento materno continuado até os dois anos, o aumento foi de 22,7 vezes no primeiro ano de vida e de 23,5 em menores de dois anos, em comparação com os dados de pesquisa realizada em 1986.

Segundo o ministério, os resultados mostram a importância de estratégias nacionais para apoiar a amamentação no país.

“É tão importante amamentar porque reduz em até 13% a mortalidade infantil por causas evitáveis em crianças menores de 5 anos, diminui a chance da criança ter alergias, infecções, diarreia, doenças respiratórias, otites, obesidade e diabetes tipo 2”, disse o secretário de atenção primária à saúde, Raphael Parente.

E além da criança, traz benefícios para a mãe. “Tem um efeito positivo na inteligência, reduz a chance da mulher desenvolver câncer de mama e de ovário”, informou o secretário.

A orientação é que o leito materno seja o alimento exclusivo nos primeiros seis meses por ser completo para o bebê e oferecer os nutrientes para que ele se desenvolva saudável. A partir dessa idade, e até os dois anos ou mais, a recomendação é que a amamentação seja mantida junto com o consumo de alimentos.

 Campanha 

Para incentivar que cada vez mais mulheres amamentem, e como parte da Semana Mundial do Aleitamento Materno 2020, o Ministério da Saúde lançou a campanha “Apoie a amamentação: proteger o futuro é um papel de todos”. A campanha publicitária será veiculada entre 4 e 17 de agosto em meios de comunicação como rádio, televisão e internet.

“Para aquelas mulheres que, por qualquer motivo, não consigam amamentar, a gente também tem que dar todo o apoio. O Ministério da Saúde não abre mão disso”, disse o secretário.

Raphael Parente destacou a importância do apoio dos familiares para a amamentação. “A amamentação não só, comprovadamente, melhora o vínculo entre a mãe e o bebê, a gente acha também que, quando tem o apoio do pai, da família, ela melhora o vínculo familiar”, afirmou.

Além da campanha, o ministério tem ações constantes para incentivar a amamentação e orientar as mães. Anualmente, a pasta repassa R$ 9 milhões para a iniciativa Hospital Amigo da Criança que trabalha com os profissionais o modelo de boas práticas no cuidado da criança e da mulher. São 301 desses hospitais certificados pelo Ministério da Saúde no país.

Há ainda as ações do método canguru que já capacitou 3,7 mil tutores na assistência à amamentação para mães que têm dificuldades. Há 950 leitos de unidade de cuidados de cuidados intensivos canguru habilitados.

O ministério ainda capacitou 55 mil profissionais da atenção primária para auxiliar as mães na amamentação e incentiva empresas a terem espaços para que as mães possam amamentar ou colher leite.

 Confira o vídeo da campanha “Apoie a amamentação: proteger o futuro é um papel de todos”:

 

Amamentação e a Covid-19

Com a pandemia do novo coronavírus, o Ministério da Saúde orienta que a amamentação seja mantida no caso de infecção pela mãe. Isso porque não há constatações científicas significativas sobre a transmissão do coronavírus por meio do leite materno. E considerado também os benefícios do aleitamento materno para a saúde da criança e da mulher.

É necessário que a mulher procure profissionais de saúde para ter informações sobre os cuidados necessários para amamentar durante o período de contaminação.



© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!
- Publicidade -

Últimas

Encontro Estética das Periferias começa hoje em São Paulo

Um dos maiores eventos de artes da periferia das cidades brasileiras, o Estéticas das Periferias começa neste sábado (31), totalmente online. Nesta edição, que...

Polícia prende 5 motoristas por embriaguez ao volante no nortão

A Polícia Militar prendeu cinco pessoas por embriaguez ao volante, durante a Operação In Memorian, na madrugada deste sábado (31.10), em Sinop. O bloqueio policial...

Sobe para 26 total de mortos por terremoto na Turquia e Grécia

O terremoto que atingiu a região do Mar Egeu, entre a Turquia e a Grécia, deixou pelo menos 26 mortos nos dois países e...

Garotas de programa são estupradas após cair em golpe em Mato Grosso

Três garotas de programa registraram queixa depois de serem estupradas por três homens nessa sexta-feira (30), em Cuiabá. Segundo a Polícia Militar, elas foram...
x