25.5 C
Lucas do Rio Verde
segunda-feira, 01 março, 2021
Início MUNDO Telefones podem ser usados para diagnosticar vírus

Telefones podem ser usados para diagnosticar vírus

Bolsistas da Capes participaram de estudo em Harvard
Por CenarioMT

O uso de smartphones pode viabilizar testes mais baratos e rápidos que os RT-PCR, considerados padrão-ouro na detecção de vírus. A tecnologia viabilizou diagnósticos de SARS-CoV-2 (novo coronavírus), HIV, Zika e hepatites B e C em estudo da Harvard Medical School (EUA), com dois pesquisadores financiados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Todo o procedimento deve ser feito por um profissional da saúde, logo após a coleta do muco nasal. Uma pequena parte desse material é posta em um microchip, feito em uma máquina de corte a laser, de baixo custo. O equipamento, construído com elementos de biotecnologia e biologia sintética, reconhece o vírus e emite um sinal que é captado pela câmera do celular. Um aplicativo, em desenvolvimento em Harvard, reconhece, a partir da inteligência artificial, se a amostra é positiva ou negativa.


--Continua depois da publicidade--

“A ideia é fornecer uma alternativa rápida ao teste laboratorial de referência, que é o RT-PCR nesse caso. O resultado variou entre 50 e 80 minutos para as infecções testadas nesses primeiros estudos. Como a única máquina envolvida é o celular, o custo diminui”, explica Luís Pacheco, professor do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em 2019, financiado pela Capes, ele participou do programa Capes-Harvard de Professor/Pesquisador Visitante Júnior.

Na pesquisa, Pacheco teve a companhia de Filipe Sampaio, doutorando na UFBA, que passou 12 meses nos Estados Unidos com bolsa do Programa Institucional de Internacionalização (PrINT) da Capes. Sampaio é aluno de Pacheco.

Sobre os programas

O Programa Capes-Harvard de Professor/Pesquisador Visitante Júnior tem por objetivos incentivar o intercâmbio de conhecimento entre pesquisadores do Brasil e da Universidade de Harvard, além de contribuir para o estreitamento de laços e a realização de pesquisas conjuntas das instituições de ensino brasileiras e a norte-americana.


--Continua depois da publicidade--

O Programa Institucional de Internacionalização (PrINT) tem como objetivo incentivar a internacionalização de instituições de ensino superior e institutos de pesquisa no Brasil como forma de incrementar o impacto da produção acadêmica e científica no âmbito dos programas de pós-graduação.

Com informações da Capes



Gustavo Praiadohttps://www.cenariomt.com.br
Gosta de economia, assistir séries, filmes de ação e gosta de videogames. Editor no CenárioMT nos cadernos de Economia e Mundo, mas nem por isso deixa uma notícia regional em branco, sempre atento as tendências que o internauta procura para ficar bem informado.
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

POLÍCIA
Polícia recupera Corolla roubado de residência em Lucas do Rio Verde
março 01, 2021
PODER LEGISLATIVO
Câmara define evento comemorativo ao Dia das Mulheres, mas aguarda decreto estadual
março 01, 2021