20.9 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 15 junho, 2021
InícioMUNDOTCU abre processo para apurar irregularidades em contratos do Ministério da Saúde...

TCU abre processo para apurar irregularidades em contratos do Ministério da Saúde no RJ

Por RIO DE JANEIRO

O Tribunal de Contas da União abriu processo para investigar irregularidades em contratos feitos pela superintendência do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro.

No documento em que pede a investigação, o subprocurador-geral Lucas Furtado diz que é “obrigatória atuação do Tribunal de Contas da União, a fim de que sejam apurados os fatos”.


--Continua depois da publicidade--

Na terça-feira (18), o Jornal Nacional revelou a assinatura de dois contratos, sem licitação, da superintendência no RJ. Em um período de dois dias, o chefe do órgão, o coronel da reserva George Divério autorizou duas contratações que somavam quase R$ 30 milhões.

Quase R$ 9 milhões em reformas de galpões usados como depósitos de papéis. Outros R$ 18,9 milhões para reformar o prédio do ministério, no Centro do Rio.

A representação no TCU afirma que “é evidente que obras de reforma de um galpão para “guardar arquivos” e de “reforma completa na sede do Ministério da Saúde no Rio”, como informa a reportagem, não se enquadram nas hipóteses permissivas de dispensa de licitação.

Os argumentos do ministério para justificar a urgência dessas obras durante a pandemia também chamam atenção. Os dois projetos tem linguagem pouco comum nesse tipo de documento e longos trechos idênticos, que lembram até o hino nacional:


--Continua depois da publicidade--

“Saíamos do berço esplêndido para erguermos juntos a clava forte e darmos aos nossos administrados um local adequado para bem servir”.

 

O tom não convenceu a Advocacia-Geral da União e os contratos acabaram sendo anulados. Na mesma época, um terceiro contrato sem licitação foi adiante. Mais de R$ 1,7 milhão para a mão-de-obra de apoio, como recepcionistas e carregadores fornecidos pela Vinil Engenharia.

Esse contrato só chegou à AGU depois de assinado e um dia antes de entrar em vigor no dia 1º de dezembro de 2020.

A justificativa do ministério para tanta pressa na contratação era a extrema necessidade para a volta ao trabalho depois de sete meses sem atendimento ao público.

Os documentos dessa época falam em ações imediatas. O que não era urgente, era “urgentíssimo”. Na vida real o ritmo era outro. Dois dias antes de assinar um contrato sem licitação, que não podia esperar, o superintendente George Divério teve uma foto postada nas redes sociais.

Em Natal (RN), a autoridade que queria mais gente trabalhando, aparecia, sem pressa, turistando.

O que dizem os citados

 

A Superintendência do Ministério da Saúde no Rio informou que George Divério cumpriu a agenda normalmente no fim de novembro, quando a foto foi publicada, e disse que os processos estão na Corregedoria-Geral do Ministério da Saúde.


--Continua depois da publicidade--

O Ministério da Saúde declarou que, se irregularidades forem comprovadas, serão encaminhadas aos órgãos competentes e adotadas as devidas sanções.

A Vinil Engenharia afirma que não houve o favorecimento da empresa porque outros escritórios participaram da concorrência nas mesmas condições.

Pazuello é questionado sobre contratos

 

No 1º dia em que esteve no Senado Federal, convocado para depor como testemunha na Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a pandemia de Covid-19 no Brasil, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello foi questionado sobre os contratos suspeitos assinados durante a gestão dele.


--Continua depois da publicidade--

Na resposta, Pazuello disse que soube das denúncias ao assistir à reportagem do Jornal Nacional, e que a informação que teve foi de que as causas da emergência para firmar os contratos não foram a pandemia.

“Foram outro tipo de causa. Eram causas de risco à integridade das pessoas que estavam trabalhando nas duas instalações. E dois, não houve emprego de recurso algum porque os processos foram cancelados”, afirmou o ex-ministro.

“Foi verificado pela nossa própria integridade que a formalidade não estava correta e ela foi cancelada antes de acontecer. Pelo que eu soube até agora, esses são os fatos, o resto já são ilações do problema. Não houve nenhum centavo colocado de nada”, acrescentou.


Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Concurso cultural junino premiará poesias, fotos e desenhos em Lucas do Rio Verde
junho 14, 2021
PODER LEGISLATIVO
Com pauta cheia, Câmara de Lucas do Rio Verde aprova RGA e nome definitivo ao Bom Jesus
junho 14, 2021