23.8 C
Lucas do Rio Verde
domingo, 16 maio, 2021
InícioMUNDORose Volante inicia jornada para retomar cinturão mundial de boxe

Rose Volante inicia jornada para retomar cinturão mundial de boxe

Paulista vai enfrentar Halanna dos Santos pela categoria das super-leves na 10ª edição do Boxing For You. Evento começa sexta-feira (4) às 21h30 (horário de Brasília).
Por Lincoln Chaves - Repórter da Rádio Nacional e da TV Brasil – São Paulo - Agência Brasil - São Paulo

Após um ano e nove meses, a primeira campeã mundial profissional do boxe feminino brasileiro está de volta. Nesta sexta-feira (4), Rose Volante participa da 10ª edição do Boxing For You, evento de pugilismo na Arena de Lutas, em São Paulo, que começa às 21h30 (horário de Brasília). A paulista de 38 anos enfrenta a baiana Halanna dos Santos, de 30 anos, pela categoria das super-leves (até 63,5 quilos).

As lutas não terão presença de público, devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19), mas poderão ser acompanhadas pelo Facebook e o canal oficial do evento no YouTube.


--Continua depois da publicidade--

“Vou lutar em uma categoria acima da minha, mas estou preparada, motivada para esse recomeço. A Halanna é uma adversária dura, tem 21 lutas no boxe profissional, é experiente. Será uma luta muito boa para meu retorno”, afirma Rose, que compete normalmente na categoria das leves (61,2 quilos) e tem um cartel de 15 combates e 14 vitórias.

A última vez de Rose no ringue foi em março do ano passado, quando perdeu da irlandesa Katie Taylor, na terceira vez que a brasileira defendeu o cinturão de campeã da Organização Mundial de Boxe (WBO, sigla em inglês). A adversária, que já tinha os títulos da Associação Mundial de Boxe (WBA, sigla em inglês) e da Federação Internacional de Boxe (IBF), acabou unificando os três cinturões.

“Nada apaga o que já fiz pelo boxe e o esporte, sendo a primeira campeã mundial. A Katie não é qualquer pessoa. Perdi realmente da melhor. Dei o melhor que eu tinha. Após a luta, fiquei um tempo parada, pois tive que fazer uma cirurgia no nariz, por causa do choque de cabeça [no combate com a irlandesa, involuntário, mas que acabou encerrando a luta]. Fui para a Argentina, onde treinei por quatro meses. Eu lutaria na Argentina, mas houve um problema nos eventos. Depois, lutaria em dezembro [de 2019], mas a adversária veio em uma categoria abaixo, não conseguiram casar as lutas. E teve a pandemia”, conta a paulista, cujo apelido é Queen, que significa rainha, em inglês.


--Continua depois da publicidade--

“Estou muito feliz de voltar a lutar e fazer o que amo. Estou de bem comigo, com Deus e com os treinos, em um bom. Será a primeira vez lutando sem presença de público, mas fico satisfeita retornar e ver que o boxe não parou”, completa Rose, que se prepara com a equipe de pugilismo Memorial, em Santos (SP).

Otimismo

Rose entrou para a história do esporte nacional em dezembro de 2017, quando derrotou a argentina Brenda Carvajal e entrou para o seleto grupo de brasileiros campeões mundiais de boxe profissional, que também reúne Eder Jofre, Miguel de Oliveira, Acelino “Popó” Freitas, Valdemir “Sertão” Pereira e Patrick Teixeira.

“Realmente, tenho o reconhecimento da minha equipe e de Santos, onde moro. Por fora disso, às vezes, as pessoas falam mais da luta contra a Katie do que de quando ganhei da Brenda. Nosso esporte, por mais que tenha muitos campeões, às vezes, a gente percebe que não é tão divulgado ou tem o reconhecimento que merecia. Mas creio que as coisas estão mudando e a melhora é gradativa”, avalia Rose.

A pugilista também é otimista quanto ao futuro da modalidade no feminino. Em especial, a respeito de Beatriz Ferreira. A baiana de 27 anos é a atual campeã mundial de boxe amador – nível olímpico – na categoria das leves (até 60 quilos) e uma das maiores esperanças de medalha de ouro para o Brasil na Olimpíada de Tóquio (Japão), adiada para o ano que vem.

“O boxe feminino tem muito potencial. Tivemos a Adriana Araújo [primeira medalhista olímpica do boxe feminino do país]; a Roseli Feitosa, primeira brasileira campeã mundial [amador]; a Erica Matos, que é esposa do Robson Conceição [pugilista campeão olímpico] e foi campeã pan-americana. Temos muito material humano. A tendência é crescer. A seleção feminina de boxe olímpico é muito forte. A Bia tem total condição de ser campeã mundial novamente e medalhista olímpica. Está muito bem, creio que ela pode ganhar esse ouro”, conclui Rose.

Rose Volante está de volta após um ano e nove meses.
Rose Volante está de volta após um ano e nove meses.

“Será a primeira vez lutando sem presença de público, mas fico satisfeita retornar e ver que o boxe não parou”. – Ivan Storti / Divulgação Memorial

Noite de boxe

Além de Rose e Halanna, o 10º Boxing For You terá outras três lutas, sendo duas valendo o cinturão do Conselho Nacional de Boxe (CNB). As paulistas Danila Ramos e Simone Silva duelam pelo título da categoria pena (até 57 quilos). Já o sul-mato-grossense Luís Cláudio Cardoso da Silva e o paulista Eduardo “Pará” Costa se encaram pelo posto de melhor pugilista entre os super-penas (até 58,9 quilos). O combate entre o carioca Carlos Henrique “Pitbull” e o mato-grossense Nathann Ramatis, ambos peso pena (até 57,2 quilos), abre o evento.

Edição: Carol Jardim


© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!
- Publicidade -

Últimas no CenárioMT

Lucas do Rio Verde

SÃO E SALVO
Em ação rápida, bombeiros resgatam cachorro preso debaixo de contêiner em Lucas do Rio Verde
maio 16, 2021
CLASSIFICADO
Grupo Santos volta a vencer Sorriso e garante vaga na próxima fase da Copa do Brasil
maio 16, 2021