13.4 C
Lucas do Rio Verde
quinta-feira, 11 agosto, 2022
Publicidade
InícioMUNDORJ: empresários querem crédito para enfrentar efeitos da pandemia

RJ: empresários querem crédito para enfrentar efeitos da pandemia

Prolongamento da quarentena afeta atividades, diz Fecomércio
Texto por Cristina Indio do Brasil - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro
Os efeitos da pandemia do novo coronavírus nos setores de comércio e serviços podem levar empresários fluminenses à busca por empréstimos em instituições financeiras ainda neste mês, segundo pesquisa do  Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises, da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ)O levantamento mostrou que 38,7% dos empresários querem recorrer a algum tipo de crédito, ou seja, 4 entre 10 têm intenção de tomar recursos emprestados. Ao todo foram ouvidos 470 empresários no estado para avaliação dos impactos do isolamento social no setor.

Segundo a pesquisa, o prolongamento dasRegistro de mortes por causas naturais aumenta 11,3% nos cartórios nacional, tendo atingido de forma severa a atividade econômica fluminense, que já estava com problemas.


--Continua depois da publicidade--

O instituto quis saber porque uma parte dos empresários não pretende recorrer aos créditos, mesmo em siituação difícil. O levantamento revelou que 32,3% dos entrevistados consideram que “não faz sentido” tomar dinheiro emprestado, já que não têm certeza se vão sobreviver à crise. Pelo menos 14% disseram que precisam de crédito, mas estão inadimplentes, e 10,4% precisam, mas acham que as taxas de juros são muito altas.

Cerca de 9,1% dos empresários afirmaram que necessitam dos créditos, mas que não gostam de tomar dinheiro emprestado e 7,9% veem excesso de burocracia para a  tomada de empréstimo.

De todos os pesquisados, 19,5% informaram não precisar de crédito, uma vez que suas empresas estão saudáveis.

Demora


--Continua depois da publicidade--

Para o diretor do insttuto, João Gomes, a demora do governo federal em disponibilizar linhas de crédito acessíveis para as  micro e pequenas empresas acabou por inflar o número de empresas que precisam de recursos, mas não o tomam por medo de não conseguirem sobreviver.

“Se houvesse linhas de crédito mais baratas, o risco de tomar crédito e depois não conseguir pagá-lo seria menor e, portanto, seria também menor o número de empresários que hoje não tomam recursos com medo de não sobreviver”, ressaltou.

Na visão da Fecomércio, há expectativa de que o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) do governo federal já esteja em operação nas próximas semanas, por bancos comerciais.

A Fecomércio RJ integra 59 sindicatos patronais fluminenses do setor, que reúne mais de 332 mil estabelecimentos. Eles representam 2/3 da atividade econômica do estado, ou seja, 70% dos estabelecimentos fluminenses, que geram mais de 1,7 milhão de empregos formais no total. Isso equivale a 64% dos postos de trabalho com carteira assinada no estado do Rio de Janeiro.

A federação também administra, no estado do Rio, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

© CenárioMT
© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal! Notícias em primeira-mão e informações de bastidores sobre o que acontece em Mato Grosso.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

DIA 3 DE SETEMBRO
Evento beneficente, November Fest acontecerá no início de setembro em Lucas do Rio Verde
agosto 11, 2022
DIA DE VESTIBULAR
Inscrições para vestibular de Psicologia da Unilasalle Lucas podem ser feitas até às 18 horas
agosto 10, 2022
Lucas do Rio Verde
Aulas da rede municipal retornam nesta semana em Lucas do Rio Verde
agosto 10, 2022
AVALIAÇÃO
Binsfeld fala em mudanças na Expolucas e condena críticas: ‘Não sabem e não procuram saber’
agosto 10, 2022