18 C
Lucas do Rio Verde
quinta-feira, 29 julho, 2021
InícioMUNDORio quer dobrar banco de DNA de familiares de desaparecidos

Rio quer dobrar banco de DNA de familiares de desaparecidos

Atualmente, o Instituto de Pesquisa e Perícias em Genética Forense, órgão da Secretaria de Estado de Polícia Civil, conta com cerca de 1.300 amostras genéticas de familiares.
Por Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Dentro da Campanha Nacional de Coleta de DNA de familiares de pessoas desaparecidas, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o Rio de Janeiro pretende mais que dobrar o número de amostras disponíveis. Atualmente, o Instituto de Pesquisa e Perícias em Genética Forense (IPPGF), órgão da Secretaria de Estado de Polícia Civil, conta com cerca de 1.300 amostras genéticas de familiares.

A coleta vai ocorrer de hoje (14) até sexta-feira (18), entre 9h as 17h, em 13 postos nas regiões do estado. Os endereços podem ser consultados no site do ministério. Na capital, a coleta será feita na Cidade da Polícia, em Benfica, zona norte da cidade, e no Posto Regional de Polícia Técnico-Cientíca de Campo Grande, na zona oeste.


--Continua depois da publicidade--

Podem participar do mutirão os pais, filhos e irmãos do mesmo pai e mãe de pessoas desaparecidas. A amostra genética é coletada da parte interna da bochecha, por meio de um tipo de cotonete. Normalmente a coleta é feita com o encaminhamento das delegacias, após o registro do desaparecimento. Nesta campanha, basta o familiar comparecer aos postos.

Banco genético

Segundo a Polícia Civil, o banco de perfis genéticos de familiares de pessoas desaparecidas do IPPGF foi lançado em 2012 e é uma referência no Brasil, correspondendo a cerca de 26% das amostras do Banco Nacional.

O Rio de Janeiro foi também o responsável pela primeira identificação feita pelo sistema informatizado com as amostras de DNA no país, em 2013, quando ocorreu a combinação, ou match, e a identificação de um corpo como sendo de uma pessoa desaparecida.

Quando há um corpo não identificado, o exame de DNA é inserido no sistema da Rede Nacional Integrada de Bancos de Perfis Genéticos do Ministério da Justiça e Segurança Pública, para ser comparado com as amostras de familiares disponíveis no banco. De acordo com a Polícia, esse protocolo aumenta as chances de identificação e ajuda a família a entender o que aconteceu com a pessoa.


--Continua depois da publicidade--

Fora da capital, a coleta do mutirão será feita nas cidades de Angra dos Reis, Araruama, Campos dos Goytacazes, Duque de Caxias, Itaperuna, Macaé, Niterói, Nova Friburgo, Nova Iguaçu, Petrópolis e Volta Redonda.

Gustavo Praiadohttps://www.cenariomt.com.br
Gosta de economia, assistir séries, filmes de ação e gosta de videogames. Editor no CenárioMT nos cadernos de Economia e Mundo, mas nem por isso deixa uma notícia regional em branco, sempre atento as tendências que o internauta procura para ficar bem informado.
- Publicidade -

Lucas do Rio Verde

VACINAÇÃO CONTRA COVID-19
“Vão ter que esclarecer no MP”, diz secretária sobre pessoas que tomaram dose extra de vacina em Lucas
julho 29, 2021
SAÚDE
Lucas do Rio Verde volta registrar óbito em decorrência da Covid-19
julho 29, 2021