22.7 C
Lucas do Rio Verde
sexta-feira, 04 dezembro, 2020
Início MUNDO Projeto insere alunos da rede pública no mercado de trabalho formal

Projeto insere alunos da rede pública no mercado de trabalho formal

Por Pedro Ivo de Oliveira - Repórter da Agência Brasil

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), em parceria com Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério da Economia, inauguram nesta quarta-feira (4) o projeto de Aprendizagem Profissional Inclusiva (API), que dará a alunos da rede pública do município goiano de Cristalina oportunidade de entrar no mercado forma de trabalho de uma forma diferenciada.

O programa, cujo objetivo é facilitar a entrada de estudantes no primeiro emprego, é focado em jovens em situação de vulnerabilidade social. O projeto visa combinar aquisição de experiência de trabalho com cursos oferecidos dentro do ambiente das empresas. Esses ambientes vão preparar os jovens aprendizes para a realidade competitiva do mercado.

“Muitas vezes, apesar de terem o direito assegurado, jovens são excluídos de uma oportunidade profissional por terem déficit educacional ou não terem qualificação. [O projeto] conjuga uma parte prática com uma parte teórica, que é assegurada por treinamentos e formações estruturados pelas empresas”, afirma a coordenadora nacional do Programa de Princípios e Direitos Fundamentais do Trabalho da OIT, Maria Cláudia Falcão.

E o resultado da parceria é animador, diz Maria Cláudia. Os estudantes selecionados para o projeto são otimistas e já fazem planos. “Os depoimentos são emocionantes. Os estudantes sabem que estão recebendo uma oportunidade muito grande de mudar sua realidade.”

A primeira turma de aprendizes é formada por 18 jovens de 15 a 21 anos, que receberão ofertas de carreiras técnicas nas empresas. “A etapa de Cristalina servirá como um projeto piloto. Esses jovens sabem que carregam uma responsabilidade. Se o programa der certo, será levado para outros municípios interessados.”

A Aprendizagem Profissional Inclusiva é financiada por termos de ajuste de conduta firmados pelo governo de Goiás e que agora são convertidos em obras sociais de benefício público. “Sem mudar nada da legislação, conseguimos fazer um módulo inclusivo que diminui a desigualdade das oportunidades de estudo. Mas é preciso [ter] apoio das empresas também, que devem aceitar construir um ambiente propício para receber esses futuros profissionais”, afirmou Maria Cláudia.

Nádia Franco



© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!
- Publicidade -

Últimas

Homem que agrediu enteada de um ano é preso em flagrante pela Polícia Civil em Sinop

Policiais da Delegacia Especializada da Mulher, Criança e Idoso de Sinop (500 km ao norte de Cuiabá) prenderam em flagrante na tarde de quarta-feira...

Projeto de pesquisa da UFR selecionado pelo programa Papiro e classificado na 4ª Fecit, recebe prêmio nacional

O Programa Acelerador de Projetos Inovadores de Rondonópolis (PAPIRO), instituído pela atual administração municipal e coordenado pela Secretaria Municipal de Ciências e Tecnologia da Inovação, e seu Departamento...

Laço Branco exalta tratamento digno às mulheres com pedalada neste sábado

Subir na bike e empunhar a bandeira da não violência contra as mulheres e das relações afetivas harmônicas e equilibradas entre os sexos é...

Brasil tem mais de 40 mil casos de Covid por dia na média móvel

O consórcio de veículos de imprensa divulgou novo levantamento da situação da pandemia de coronavírus no Brasil a partir de dados das secretarias estaduais...
Publicidade
x