22.1 C
Lucas do Rio Verde
quinta-feira, 18 agosto, 2022
Publicidade
InícioMUNDOPopulação em situação de rua cresce 31% em dois anos em São...

População em situação de rua cresce 31% em dois anos em São Paulo

Texto por Gabriel Croquer, do R7

O número de pessoas em situação de rua na cidade de São Paulo cresceu de 24.344 em 2019 para 31.884 — equivalente a aumento de 31%. Os dados foram revelados pela prefeitura e fazem parte do Censo da População de Rua, realizado pela empresa Qualitest Ciência e Tecnologia junto à SMADS (Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social).

Depois do último censo, realizado em 2019, o levantamento deveria ter sido feito apenas em 2023, mas foi antecipado pela prefeitura para avaliar os efeitos da pandemia de Covid-19 nessa população.


--Continua depois da publicidade--

Das 31.884 pessoas em situação de rua, 19.209 foram identificadas quando estavam em locais públicos e outras 12.675 enquanto estavam em centros de acolhida da prefeitura. Essa parcela da população na capital já é maior que o número de habitantes de 449 dos 645 municípios no estado de São Paulo (69,6%). Apenas o aumento registrado entre os censos (7.540) é maior do que toda a população de rua da cidade do Rio de Janeiro, de acordo com os pesquisadores.

Com a piora acentuada do cenário, a prefeitura anunciou que criará o programa “Reencontro”, oferecendo moradias transitórias, auxílio financeiro e ações de emprego para diminuir o tamanho dessa população. O auxílio, que não teve a quantidade especificada, será repassado apenas para as pessoas sem dependência química.

Mais famílias nas ruas

O número de “moradias improvisadas” (barracas) mais do que triplicou no período, saindo de 2.051 para 6.778 pontos. Também cresceu a quantidade de entrevistados que revelaram ter a companhia de alguma pessoa da família em situação de rua — de 20% dos entrevistados em 2019 para 28,6% em 2021.

Os analistas do estudo acreditam que a piora dos dois indicadores reforça que mais famílias passaram a morar nas ruas de São Paulo, provavelmente por questões econômicas. Entre os entrevistados, 28,4% justificou estar em situação de rua por conta da perda do trabalho e da renda. Os conflitos familiares (34,7%) e dependência de drogas (29,5%) vieram acima entre os principais motivos citados.


--Continua depois da publicidade--

Ainda houve o crescimento pequeno de mulheres e pessoas transexuais nas ruas. O perfil dessa população, no entanto, continua predominantemente masculino, em idade economicamente ativa (média de 41,7 anos) e preto (70,8% dos entrevistados).

Outros pontos do levantamento mostram que a maioria dessas pessoas alega trabalhar, seja em bicos (33,9%), por conta própria (16,7%), empregados sem carteira assinada (3,9%) ou com o registro oficial (2,2%). Outra parte considerável afirmou que não trabalha (42,8%).

A busca por trabalho também foi o que levou a maior parte do grupo de outros estados e municípios à cidade de São Paulo. Uma parcela de 39,2% dos entrevistados afirmaram ter nascido na capital.

Em relação à educação, 93,5% frequentaram escola, 92,9% sabem ler e escrever, 4,2% concluíram o ensino superior, 21,4% têm ensino médio completo e 15,3% concluíram o ensino fundamental.

Covid-19

Questionados se contraíram a Covid-19, 85% declararam que não, 6,8% tiveram suspeita, mas não confirmaram com realização de exame, 3,8% contraíram com confirmação de exame e tiveram sintomas leves e 2% diagnosticados com a doença precisaram ser hospitalizados.

Outra pesquisa divulgada recentemente, do LabCidade (Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade), da USP (Universidade de São Paulo), mostrou que 96 pessoas em situação de rua morreram por conta da doença desde o início da pandemia.

Piores bairros

Os distritos da subprefeitura da Mooca foram os que registraram o maior aumento de concentração de pessoas em situação de rua, com o aumento de 1.419 para 2.254 em dois anos. A região da subprefeitura da Sé também se destacou negativamente, ao registrar a chegada de mais 973 pessoas.

De acordo com as entrevistas, os motivos de a população de rua se concentrar em sua maioria nos bairros ao redor da área central continuam os mesmos: mobilidade, trabalho e facilidade de alimentação.


--Continua depois da publicidade--

O relatório final indica crescimentos preocupantes, acima de 100%, em diversos distritos na zona norte (Perus, Vila Maria, Vila Guilherme, Santana, Tucuruvi), zona leste (Penha, Itaquera, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista, Sapopemba, Guaianases e Itaim Paulista), e zonas sudeste e sul (Ipiranga, Vila Mariana, Jabaquara e M’Boi Mirim).

Rebeca Moraes
Rebeca Moraeshttps://www.cenariomt.com.br
Redatora do portal CenárioMT, escreve diariamente as principais notícias que movimentam o cotidiano das cidades de Mato Grosso.

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

Lucas do Rio Verde
Cras promove Balcão de Empregos em parceria com o Sine em Lucas do Rio Verde
agosto 17, 2022
Lucas do Rio Verde
Lucas do Rio Verde: Proposta de inovação é apresentada a prefeito e equipe de secretários durante reunião
agosto 17, 2022
CRIME SEXUAL
Homem é preso por estuprar enteada e sobrinha em Lucas do Rio Verde
agosto 17, 2022
Lucas do Rio Verde
Programa Saúde na Escola entrega kits de higiene bucal aos alunos em Lucas do Rio Verde
agosto 17, 2022