20.4 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 24 maio, 2022
Publicidade
InícioMUNDOMCIT trabalha para melhorar o monitoramento da Amazônia

MCIT trabalha para melhorar o monitoramento da Amazônia

Além do lançamento de um satélite, foi aprimorado sistema que emite alertas de desmatamento
CenarioMT

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) está alinhado com os esforços do Governo Federal para o combate ao desmatamento na Amazônia e vem trabalhando em melhoria nos sistemas de monitoramento.

Até fevereiro de 2021 deve ser lançado o satélite Amazônia-1 projetado e desenvolvido no Brasil pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O satélite vai ampliar a capacidade de monitoramento de biomas em todo o território brasileiro. “Um projeto nacional, fabricado no Brasil, por empresas brasileiras, e esse satélite está pronto para ser lançado”, disse o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes. Ele explicou que o lançamento teve um certo atraso por causa da pandemia e será realizado na Índia.


--Continua depois da publicidade--

Já o sistema de monitoramento da Amazônia, chamado de Deter, que emite alertas de desmatamento na região, foi melhorado. Com isso, vai aumentar a frequência de monitoramento nas áreas com mais ocorrências de devastação ambiental. “Criaram o Deter intenso para reduzir o tempo de passagem [do satélite] de cinco para um dia. Antes ele demorava cinco dias para passar no mesmo lugar de novo, agora, demora um dia só”, explicou o ministro.

Outra mudança foi a reestruturação do Inpe, órgão vinculado ao ministério, que entre suas atribuições, o monitoramento do desmatamento, via satélite. “Essas melhorias no Inpe têm sido estudadas e trabalhadas desde o ano passado. Isso compreende a reestruturação de forma a melhorar a gestão, tornar mais eficientes os projetos prioritários”, afirmou.

Chegada do homem à Lua completa 51 anos
Ao comentar a data, Marcos Pontes disse também que tem discutido com a Agência Espacial Brasileira metas que vão surpreender. No próximo dia 20 de julho, a chegada do homem à lua completa 51 anos. Foi nessa data, em 1969 que uma espaçonave norte-americana pousou na lua com os astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin.

Em conversa com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, o primeiro astronauta brasileiro a participar de uma missão espacial, ele disse que o feito pode ser analisado com dois pontos de vista.


--Continua depois da publicidade--

Um deles é o do desenvolvimento tecnológico alcançado em 69 para construir e lançar o foguete ao espaço e desenvolver trajes para os astronautas, por exemplo. O outro ponto de vista é o da decisão política tomada pelos Estados Unidos de investir e vencer a corrida especial para chegar à lua.

“Tudo veio de uma decisão política e é isso que precisamos fazer, tomar uma decisão e falar, nós queremos desenvolver nosso programa espacial, e a gente vai chegar lá, colocar uma meta agressiva. Tenho discutido com a Agência Espacial Brasileira em se colocar algumas metas que, provavelmente, vão surpreender muita gente”, disse o ministro Marcos Pontes.

© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!

Publicidade


Publicidade

Lucas do Rio Verde

MOTOCIATA
Vereador desafia Bolsonaro a participar de motociata pela BR 163, entre Nova Mutum e Sinop
maio 24, 2022
Lucas do Rio Verde
Troca de cartões Ser Família Emergencial será na Secretaria de Assistência Social
maio 23, 2022
Mato Grosso
Homem é preso com 17 kg de drogas em Lucas do Rio Verde
maio 23, 2022
Lucas do Rio Verde
Secretaria de Saúde terá horário noturno para vacinação nesta semana
maio 23, 2022