36 C
Lucas do Rio Verde
terça-feira, 27 outubro, 2020
Início MUNDO Mapa Social do Corona indica acesso desigual à saúde na pandemia

Mapa Social do Corona indica acesso desigual à saúde na pandemia

Boletim relata dificuldades enfrentadas por profissionais e pacientes
Por Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro Atualizado em 15/07/2020 - 15:35

 

A quinta edição do Mapa Social do Corona, lançado na noite de terça-feira (14) pela organização Observatório de Favelas, traz como tema o Acesso Desigual à Saúde no Rio de Janeiro: Dversidades Sanitárias Históricas e Direitos Urgentes à Vida Saudável.

A publicação quinzenal tem como objetivo dar visibilidade aos impactos desiguais da pandemia de covid-19 na cidade e identificar ações urgentes que precisam ser colocadas em prática para enfrentar a crise sanitária. Nesta edição, foram ouvidos profissionais de saúde que atuam nas favelas da Rocinha, Maré e Manguinhos, que falaram sobre as dificuldades enfrentadas pela população destas comunidaders para ter acesso a um direito básico.

“Buscamos revelar, por meio da voz dos profissionais que atuam em áreas de favelas e da análise espacial da distribuição de equipamentos de saúde, a histórica conformação socioespacial desigual do território carioca. Este quadro é aprofundado no momento atual pela pandemia da covid-19 e pelas erráticas políticas públicas na área de saúde postas em prática nos últimos anos pelas várias instâncias de governo”, diz o boletim.

De acordo com o mapa, um dos problemas é o fato de as unidades de atenção básica não terem recebido testes no início da crise – atualmente, apenas as pessoas com sintomas aparentes ou dos grupos de maior risco para a covid-19 conseguem ter acesso a eles.

O boletim ressalta que o acesso aos equipamentos de saúde também é difíicil para as populações residente na zona oeste e no extremo da zona norte. “Estas áreas têm cerceado o acesso tanto aos equipamentos para  atendimento primário a casos de covid-19 quanto a hospitais com disponibilidade de leitos, com respiradores, que atendem pelo SUS [Sistema Único de Saúde]. Somadas, as zona norte e soeste concentram mais de 80% da população carioca, e, paradoxalmente, apresentam as maiores barreiras para o acesso ao tratamento ao novo coronavírus.”

O Observatório de Favelas destaca ainda o atendimento a pacientes com sintomas da doença na parte externa das unidades de saúde, sem janelas, nem ventilação adequada, “requisito básico para espaços de recuperação de doenças respiratórias e contagiosas”. Também há relatos dos profissionais que precisam escolher apenas os casos mais graves para tratar, devido à falta de estrutura para acolher todos os pacientes.

O boletim ressalta que os moradores de localidades como Inhaúma, Vicente de Carvalho, Acari, Costa Barros e Anchieta estão há mais de 5 quilômetros (km) de um leito com respirador e precisam andar mais de 30 minutos a pé para chegar a uma unidade e receber o primeiro atendimento de covid-29. Segundo a publicação, os problemas se agravaram desde 2016.

“Observamos o congelamento de gastos públicos impactando sobremaneira os investimentos em saúde, assim como a desestruturação da Política Nacional de Atenção Básica, desestimulando a Estratégia de Saúde da Família e reduzindo o número mínimo de agentes comunitários de saúde por equipe”, diz o Mapa Social do Corona.

Demissões

De acordo com a publicação, na cidade do Rio de Janeiro, 700 mil pessoas tiveram o atendimento em saúde prejudicado por demissões ocorridas no setor entre outubro de 2018 e fevereiro de 2019. Foram desligados nesse período 465 agentes comunitários de saúde, 30 técnicos de enfermagem e 20 enfermeiros, “além de médicos e equipes inteiras de apoio à saúde da família”, diz o levantamento.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a informação não procede, e 13 clínicas da família foram inauguradas nos últimos três anos. “Para adequar a rede à necessidade da população, a Estratégia Saúde da Família passou por reestruturação em 2018, com a distribuição das equipes conforme o número de pessoas atendidas no território, o que permitiu que a Atenção Primária continuasse atendendo a mesma quantidade de pessoas, ofertando os mesmos serviços, mas com mais qualidade para o paciente”, diz a secretaria.



© CenárioMThttps://www.cenariomt.com.br
CenárioMT - Publicamos notícias diariamente no portal!
- Publicidade -

Últimas

Eleições 2020: confira como identificar e denunciar disparo em massa

Pela primeira vez, nas eleições deste ano, o disparo de mensagens em massa foi expressamente proibido pela Justiça Eleitoral na norma sobre a propaganda...

Morre no Rio de Janeiro, piloto da Força Nacional que sofreu acidente com helicóptero no Pantanal Mato-grossense

Morreu na madrugada desta terça-feira (27) o piloto da Força Nacional, Renato de Oliveira Souza, que sofreu um acidente grave com a queda de...

Preço do leite tem queda e alta de custos preocupa

Depois de quatro meses de elevação, o valor de referência do leite projetado para outubro no Rio Grande do Sul é de R$ 1,5482,...

Painel de vagas do Sine MT oferta mais 1,7 mil oportunidades nesta semana

O Sistema Nacional de Emprego (Sine-MT), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc-MT), está com 1.755 vagas disponíveis nesta...